Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro e o plim, plim

Bebianno estragou tudo

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h57 - Publicado em 22 fev 2019, 08h00

O que mais deixou o presidente Jair Bolsonaro furioso com o ex-ministro Gustavo Bebianno foi a divulgação do áudio onde ele diz que a Rede Globo é sua inimiga, e que o diretor de relações institucionais da Globo, Paulo Tonet, não deveria ser recebido por Bebianno no Palácio do Planalto.

Ora, Tonet seria recebido em audiência que constava da agenda pública de Bebianno postada na internet. Nada havia, pois, de clandestino. Tonet já esteve com vários ministros do governo, alguns deles militares. Representa a Globo em Brasília. Conversa com todo mundo, à direita e à esquerda. É um executivo respeitado.

Ocorre que Bolsonaro estava convencido de que mais adiante poderia fazer as pazes com a emissora, e assim agindo – imaginava ele -, a Globo talvez viesse a diminuir suas eventuais críticas ao governo. A reação da Globo ao que disse Bolsonaro a propósito de Tonet poderá inviabilizar uma possível reaproximação.

De resto, como observou Bolsonaro em uma de suas mensagens de áudio para Bebianno, como ficariam suas relações com as demais emissoras, estas sim, alinhadas ao governo? Certamente não ficariam boas. Elas poderiam se sentir traídas. Bebianno, portanto, errara feio concordando em se reunir com Tonet.

Bebianno comentou em mensagem de áudio enviada a Bolsonaro que ele, o presidente, tinha sido “envenenado”. Referia-se ao que mais tarde chamou de “macumba psicológica” operada por Carlos Bolsonaro na cabeça do pai para jogá-lo contra seu ministro. Foi Carlos que envenenou as relações do pai com a Globo.

Abaixo, a transcrição da mensagem de áudio de Bolsonaro sobre o assunto:

“Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história. Pô, cê tem que ter essa visão, pelo amor de Deus, cara. Fica complicado a gente ter um relacionamento legal dessa forma porque cê tá trazendo o maior cara que me ferrou – antes, durante, agora e após a campanha – para dentro de casa. Me desculpa. Como presidente da República: cancela, não quero esse cara aí dentro, ponto final. Um abraço aí.”

Continua após a publicidade

Publicidade