Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A apreensão da realidade

Psicanálise da Vida Cotidiana

Em seu livro último, A Vida do Espírito, Hannah Arendt escreve uma questão interessante a se pensar quanto a apreensão da Realidade “O pensamento, e a linguagem que o acompanha, necessita – à medida que ocorre em e é pronunciado por um ser que se sente em casa no mundo das aparências – de metáforas que lhe possibilitem preencher a lacuna entre um mundo dado à experiência sensorial e um domínio onde tais apreensões imediatas de evidência não podem existir. Mas as nossas experiências de alma são de tal modo corporalmente limitadas, que falar de uma “vida interna” da alma, é tão pouco metafórico quanto falar de um sentido interno graças ao qual temos claras sensações sobre o funcionamento ou o não funcionamento dos órgãos interiores. É óbvio que uma criatura privada de espírito não pode viver nada semelhante a uma experiência de identidade pessoal…”

(Fragmentos do pensamento de Arendt em seu ensaio O Pensar, no mesmo livro citado acima).

Pensemos, prezado leitor, na importância da Filosofia, da Poesia e da Psicanálise quanto às suas figuras de metáforas!!!

O fragmento de Hannah Arendt, quando escreve: “Nossas atividades espirituais, ao contrário, são concebidas em palavras antes mesmo de ser comunicadas, mas a fala é própria para ser ouvida e as palavras são próprias para ser compreendidas por outros que também têm a habilidade de falar… é inconcebível pensamento sem discurso, pensamento e discurso antecipam um ao outro”, nos remete a angústia de Clarice Lispector em seu livro Água Viva quando pesquisa profundamente o reino das palavras e seus sentimentos antes da palavra surgir.

Na investigação psicanalítica, nos diálogos da sala de análise é mister, a cada dia, encontrarmos uma linguagem que nasça da relação dos dois. Procurar a palavra para transmitir e colaborar com a experiência íntima da alma, requer um trabalho de “artesanato” onde predominam as questões ligadas à racionalidade e a capacidade intuitiva da dupla. “Tudo que eu queria era andar numa terra que não tivesse mapas”, fragmento de Michael Ondaatje, citado por Marli Fantini no livro: Guimarães Rosa – fronteiras, margens, passagens, Editora Ateliê Editorial, 2ª edição, 2008.

 

Carlos de Almeida Vieira é alagoano, residente em Brasília desde 1972. Médico, psicanalista, escritor, clarinetista amador, membro da Sociedade de Psicanálise de Brasília, Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e da International Psychoanalytical Association

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s