Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Murillo de Aragão Por Murillo de Aragão

Sucessão Antecipada

Com a quase impossibilidade de aprovação de emenda constitucional permitindo a reeleição de presidentes do Congresso

Por Murillo de Aragão - Atualizado em 31 dez 2019, 12h10 - Publicado em 31 dez 2019, 10h29

Com a quase impossibilidade de aprovação de emenda constitucional permitindo a reeleição de presidentes das casas do Congresso na mesma legislatura, abriu-se a temporada de pré-candidaturas aos postos. 

A disputa está mais acirrada na Câmara onde alguns nomes pontificam para suceder Rodrigo Maia. São eles: Aguinaldo Ribeiro, líder da maioria; Efraim Morais, líder do DEM;  Arthur Lira do PP; e Marcos Pereira (PRB), que é o atual vice-presidente, entre outros. 

A eleição do novo presidente da Câmara se dará em fevereiro de 2021. Mas quem for eleito será o segundo homem mais importante do país durante o processo eleitoral de 2022. É uma posição estratégica.

Em tempo, Rodrigo Maia deverá ser o eleitor mais forte do processo e, em consequência, dificilmente o próximo presidente da Câmara será eleito sem o seu apoio. 

Publicidade