Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Verdades e maluquices sobre a saúde de Hillary

A mistura de fatos suspeitos com teorias conspiratórias levar americanos a desconfiar de quase tudo

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 5 dez 2016, 11h22 - Publicado em 14 set 2016, 17h11
Visão dupla: inventaram até que Hillary de terninho não é Hillary, mas uma sósia

Visão dupla: inventaram até que Hillary de terninho não é Hillary, mas uma sósia

Ela tem epilepsia, é alcoólatra, foi envenenada pelos russos. E aquela mulher que saiu do apartamento de Chelsea Clinton, com um terninho azul e óculos escuros iguaizinhos aos usados por Hillary quando teve um mal-estar e praticamente desmaiou, no domingo, na verdade não é ela, mas uma sósia. Reparem na diferença no comprimento dos dedos e no formato do nariz.

Estas são algumas das teorias conspiratórias que estão circulando nos Estados Unidos depois que Hillary Clinton, relutantemente, reconheceu que está com pneumonia. Aliás, uma pneumonia tão mal conduzida – ou mal explicada – que, para 50% dos americanos, a candidata democrata deu “informações falsas” sobre sua saúde.

Com razão. Mesmo se for verdadeira, a pneumonia não explica os constantes ataques de tosse dela. Nem as quedas, a dificuldade para subir escadas e os desmaios, que acontecem “frequentemente”, segundo o ex-presidente Bill Clinton.

Numa entrevista que deveria acalmar os ânimos, Clinton, ele próprio com aparência frágil e excessivamente maquiado, foi rápido ao corrigir o lapso. Trocou o “frequentemente” por “raramente”, mas o mal já estava feito.

A própria Hillary disse Anderson Cooper, por telefone, que sofreu dois desmaios nos últimos cinco anos, “ao que se lembre”. Imaginem alguém que não se lembra de quantas vezes desmaiou, um sintoma preocupante. “É uma coisa que aconteceu algumas vezes ao longo da minha vida. Eu tenho consciência disso e, normalmente, consigo evitar.”

A ideia absurda de que desmaios podem ser evitados, além da natural desconfiança humana em relação a questões de saúde envolvendo figuras conhecidas, explica algumas das teorias conspiratórias mais malucas. Dentre estas, nenhuma é mais alucinada do que a da sósia, ou dublê de corpo, como dizem os americanos.

Continua após a publicidade
Publicidade