Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vai ou racha: ousadia deixa Boris Johnson na beira do vulcão

Não é um jogo para fracos e o primeiro-ministro sabe que ninguém quer ver parlamentares sendo arrastados. Problema: a oposição também sabe

Se a eleição fosse hoje, o Partido Conservador de Boris Johnson ganharia a maioria dos votos – 31%. Ainda é uma miséria, mas já são três pontos a mais do que no começo de agosto.

Ele também aparece como a melhor opção (45%) para primeiro-ministro (o trabalhista Jeremy Corbyn vem em terceiro lugar, com 17%).

Problema número 1: obviamente é o “se”.

Não vai ter eleições agora, o que não significa que o primeiro-ministro não possa convocá-las logo depois de 31 de outubro, quando a Grã-Bretanha já terá feito o Brexit.

Não existe um político, dentro ou fora das ilhas britânicas, que não tenha marcado a fogo na cabeça o que aconteceu com os dois últimos primeiros-ministros, ambos conservadores.

David Cameron convocou o plebiscito sobre o Brexit certo de que a opção seria derrotada e ele sairia fortalecido. Danou-se.

Theresa May convocou eleições gerais num momento em que parecia por cima.

Por não ter um mandato direto – tendo sido votada pelos membros de carteirinha do Partido Conservador, dentro das regras do sistema parlamentarista, o mesmo caso de Boris –, achou que ganharia força para tocar o Brexit.

Igualmente, danou-se.

Precisou de uma aliança precária com um pequeno partido da Irlanda do Norte para se manter no governo.

É esta maioria por um mísero voto, somada à estratégia da ousadia pela qual optou, que deixa Boris dançando na beira do vulcão.

Sem contar as divisões internas no próprio Partido Conservador, com alas que são puramente contra o Brexit e outras que não aceitam a saída sem acordo.

São dissidentes internos que podem se aliar à oposição, furiosos com a hipótese de que Boris Johnson lhes tenha passado a perna ao suspender as sessões parlamentares até o meio de outubro.

Com autorização da rainha Elizabeth, claro.

Num sistema democrático, o monarca não tem opção a não ser endossar o que o chefe do governo propõe, exceto em circunstâncias tão excepcionais que nunca aconteceram e, se acontecessem, dificilmente seriam acatadas pela rainha, venerada pela impecável imparcialidade mantida há quase 70 anos.

ATORES IRADOS

Mesmo sem demandar uma intervenção real, ninguém pode negar que a excepcionalidade das circunstâncias atuais.

Boris Johnson suspendeu o Parlamento numa espécie de golpe preventivo – dentro das regras do jogo democrático –, sabendo perfeitamente as reações que provocaria.

Talvez não tenha ficado exatamente impressionado com os ataques de fúria de celebridades que fingem fazer cinema ou teatro, mas são na verdade sumidades do direito constitucional (isso é uma brincadeira, ao estilo do que a Spectator fez com as sandices desinformadas de famosos sobre os incêndios na Amazônia).

“Você não vai destruir a liberdade pela qual meu avô lutou em duas guerras mundiais”, tuitou, talvez com um certo exagero, o ator Hugh Grant. “Não vai ferrar o futuro dos meus filhos.”

A palavra que usou não foi exatamente “ferrar”. De hábito, Grant costuma administrar questões como filhos sobrepostos – com a namorada um e a número dois – ou, no passado mais distante, incidentes envolvendo prostituição, policiais e outros aborrecimentos.

Stephen Fry classificou a suspensão de “coup d’état doentio, cínico, brutal e horrivelmente perigoso”.

Pois é, o ator acha que foi golpe. Em francês e tudo.

Mais do que as pontificações de celebridades em redes sociais e a habituais manifestações de rua, as cabeças esquentadas podem produzir cenas mais picantes.

O Parlamento estava em recesso – férias de verão – quando Boris fez sua jogada e hoje volta ao jogo.

Alguém duvida que os mais exaltados vão se recusar a aceitar a suspensão? Que estão loucos para criar cenas em que aparecem, heroica e literalmente, grudados nos bancos forrados de couro verde?

O maior aliado nesse jogo de cena é o presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow.

Ao contrário do que acontece no Brasil, o ocupante do cargo tem que ser totalmente apartidário e se limitar ao controle das votações.

Não com Bercow, um ex-conservador que se transformou num dos maiores especialistas em manipular as regras internas para dificultar o Brexit, conseguir um novo referendo ou, na falta disso, impossibilitar a saída sem acordo.

Uma dessas regras permite a convocação de uma sessão de emergência a pedido de qualquer parlamentar.

BODE NA SALA

Mas será que Boris Johnson está realmente empenhado em sair na marra?

Será que ao defender esta alternativa como a única possível, na falta de qualquer concessão da União Europeia, não está blefando?

Colocando o “goat in the drawing room”, sob a forma do Brexit puro e duro, contando que na última hora vai haver um entendimento pelo bem de todos?

Existe também a possibilidade de que a saída sem acordo realmente aconteça no Dia das Bruxas, como Boris tem que fazer por questão de sobrevivência política.

No dia seguinte, ele tira o bode da sala, propõe um acordo comercial especial com a União Europeia e convoca eleições.

O jogo está ficando cada vez mais emocionante.

Depois que o primeiro-ministro pediu a suspensão, é claro que choveram evocações de um dos períodos mais conturbados da história inglesa.

Em 1628, o rei Charles I suspendeu o Parlamento, desencadeando a sucessão de infortúnios que levaram à Guerra Civil.

Vinte anos depois, o rei era decapitado depois de ser julgado pelo Parlamento e Oliver Cromwell se consolidava como o comandante supremo.

Ao contrário do que aconteceu depois na França, a revolução não emplacou.

O período de “ditadura parlamentar” durou uma década e a monarquia foi restaurada. O corpo de Cromwell, morto de causa natural, foi desenterrado e postumamente decapitado. Mas nunca mais nenhum rei desafiou o Parlamento daquela maneira.

Ao contrário, o poder do Parlamento só continuou aumentando e o dos monarcas, diminuindo.

Como a história é constantemente reescrita, os papéis e a envergadura histórica de Charles Stuart, um rei autodestrutivo, e de Oliver Cromwell, um revolucionário puritano, são discutidos e rediscutidos até hoje.

Em que lugar Boris Johnson se encaixaria? Será que confirmará os prognósticos de que não passa de um bobo da corte? Ou encontrará uma grandeza histórica da qual ninguém desconfiava?

E ainda precisamos aguardar para ver o que Hugh Grant acha de tudo isso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s