Clique e assine a partir de 9,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O candidato, o marido dele e mais delícias da eleição nos EUA

Pete Buttigieg é gay? É viável? É agente da CIA? Fatos reais e maluquices misturam-se nos jogos cada vez mais vorazes da disputa presidencial

Por Vilma Gryzinski - Atualizado em 10 fev 2020, 08h36 - Publicado em 10 fev 2020, 08h34

Quem ainda se lembra que Pete Buttigieg é gay, casado no papel com um professor e defensor – agora menos explícito – de que sua união tem bênção divina?

Seria hipocrisia dizer que a questão virou um não-assunto. Mas certamente saiu do centro.

Ao se transformar num candidato viável, Pete Buttigieg entrou em outro patamar.

Isso numa disputa cada vez mais ensandecida dentro do Partido Democrata para definir quem vai enfrentar Donald Trump em 3 de novembro próximo.

Continua após a publicidade

Tudo que parecia certo virou incerto. Convencidos de que estavam no campo da superioridade moral, para não mencionar a eleitoral, com uma vitória garantida sobre Trump, os democratas estão amargando um momento de confusão.

Doce, mesmo, só a vida de Buttigieg, o Prefeito Pete, alternativa ao sobrenome difícil de falar em qualquer lugar do mundo que não seja a ilha de Malta, de onde seu pai trouxe o quebra-língua.

Em favor do candidato, registre-se que ele segurou a encrenca. Um colega da época do segundo grau brincou que ele era o mais propenso a se tornar presidente dos Estados Unidos – uma especulação tipicamente americana -, contanto que usasse o sobrenome da mãe.

Se usasse a formação completa, Peter Paul Montgomery Buttigieg, seria considerado mais coxinha ainda do que já é.

Continua após a publicidade

Ao irromper em primeiro lugar – ou quase, a farsesca confusão na apuração continua – na primeira eleição primária da temporada eleitoral, no estado de Iowa, o Prefeito Pete abriu duas possibilidades.

Primeira: pode ser uma típica “surpresa de Iowa”, um candidato que ganha a primária num estado atípico e dado a fazer escolhas alternativas, mas depois vai se desvanecendo. Se repetir a dose, amanhã, em New Hampshire, ou mesmo ficar em segundo lugar, a coisa fica menos folclórica.

Segunda: pode se transformar numa opção real, um pré-candidato para o qual converge o “centro racional”, tanto da máquina do partido quanto da base eleitoral, consciente de que se um socialista enfartado de 78 como Bernie Sanders enfrentar Trump, não tem muitas chances.

Curiosamente, é o eleitorado de Bernie – jovem, de esquerda, classe média, formação universitária para cima , do tipo que brasileiros conhecem muito bem- que mais tenta desconstruir Buttigieg por causa de suas posições comparativamente centristas.

Continua após a publicidade

Ou pelo menos que não endossam sandices autodestrutivas como fronteiras abertas e prisões idem.

Veio dos sanderistas uma das teorias mais malucas sobre Buttigieg: ele é um agente da CIA, secretamente preparado para capturar a presidência.

Bem, num país onde gente muito, muito ilustrada tem certeza que o presidente atual é cria de Vladimir Putin, não chega a ser exatamente espantoso.

As “provas” da filiação secreta de Buttigieg vão desde seus “hipnóticos olhos azuis” até o currículo estelar, típico dos melhores alunos que vão para as melhores universidades e os melhores empregos.

Continua após a publicidade

Um desses malucos do conspiracionismo, Steve Poikonen, enumerou para o Daily Beast as “suspeitas”: o pré-candidato fez o brilhante circuito Harvard-Oxford, foi da Inteligência da Marinha quando serviu no Afeganistão, trabalhou na McKinsey e depois no Truman National Security Project e agora recebeu manifestações de apoio de mais de 200 figuras que foram dos serviços de inteligência ou de segurança nacional.

Para “piorar”: fala francês e espanhol, arranha o italiano, o árabe, o farsi e o dari, uma das línguas do Afeganistão.

Comparado aos unanimemente monoglotas presidentes americanos, é um prodígio. Mas o conspiracionista Poikonen vê mais um sinal de que é “da elite multilíngue saída das escolas de elite que trabalha na empresa de consultoria da CIA e serve na reserva do serviço de inteligência da Marinha”.

Apavorados, os propagandistas da campanha de Joe Biden, ainda em choque com o quarto lugar em Iowa, tiveram uma ideia menos absurda, embora igualmente risível: atacar a pouca experiência de Buttigieg como simples prefeito de uma cidade pequena de Indiana, South Bend.

Continua após a publicidade

“Ele colocou iluminação decorativa debaixo de pontes, dando aos cidadãos de South Bend rios artisticamente coloridos”, ironizou o pessoal de Biden. “Revitalizou o calçamento do centro com revestimento decorativo”.

Perceberam a associação nada sutil entre “artístico”, “decorativo” e outras insinuações?

Buttigieg fez um pouco mais, tentando transformar a cidade decadente num polo tecnológico.

Usou inclusive a fábrica abandonada do Stubebaker, um carrão da era dourada dos Estados Unidos que, como tantas outras coisas, sumiu do mapa industrial há muito tempo.

Continua após a publicidade

De qualquer maneira, nesse momento, ele está por cima. E Joe Biden muito, muito por baixo. Mais chato do que discurso “engajado” no Oscar.

Biden chegou a brigar com uma eleitora, chamando-a de “mentirosa” e outros epítetos que só fazem sentido para quem nasceu na primeira metade do século passado. Mais um sinal de seus 77 anos.

“Estou apavorado”, disse o veteraníssimo, e aposentado, estrategista eleitoral James Carville, um clintonista que não se conforma com a esquerdização do Partido Democrata – e o que isso significa para o que ele considera o “imperativo moral” de derrotar Donald Trump.

James Carville não fala, para não correr o risco de ser chamado de preconceituoso, mas a outra pergunta que está na mente de muita gente é óbvia: um homossexual pode ganhar uma eleição presidencial?

Continua após a publicidade

Os eleitores americanos já mostraram que gostam de novidades e surpresas. Barack Obama e Donald Trump são dois presidentes inesperados, para dizer o mínimo.

Buttigieg vive cobrindo de elogios “meu marido Chasten” – o qual já apagou um monte de coisas das redes sociais.

Quem não faria o mesmo?

Como um bom cônjuge judeu, Chester Glezman adotou publicamente o sobrenome complicado do marido e se casou na catedral episcopal de South Bend.

Continua após a publicidade

Não há dúvidas sobre quem é a estrela do casal.

Ver tantas diferentes alas do Partido Democrata tentando dar uma rasteira num candidato gay é uma boa demonstração prática das realidades do mundo político. Só para lembrar: “Homofóbico” é um dos ataques mais clássicos que fazem a Trump, embora em seu governo não tenha aflorado nada de concreto contra homossexuais.

Depois da primária de amanhã em New Hampshire, certamente virão mais punhaladas.

Buttigieg, que é baixinho e tem um ar juvenil que o fez aparentar menos ainda do que seus 38 anos, com base zero na máquina do partido e nenhum apoio de celebridades, vai precisar bem mais do que o “olhar hipnótico” aprendido em algum centro de treinamento secreto da CIA…

Publicidade