Clique e assine a partir de 9,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Não haverá consequências para Putin por envenenar opositor?

É repulsivo pensar que não só Alexei Navalny foi contaminado com Novichok, agente químico que só o Estado tem, como tudo pode ficar por isso mesmo

Por Vilma Gryzinski - 3 set 2020, 08h39

“Nós não esperávamos que eles sobrevivessem”.

Esta frase dita pelo médico inglês Stephen Jukes é a maior esperança de que o opositor russo Alexei Navalny consiga escapar do envenenamento por Novichok, substância desenvolvida como arma química ainda na época da União Soviética, agora confirmada como causadora do colapso que ele sofreu depois de tomar um chá no bar do aeroporto e embarcar num avião na Sibéria.

O intensivista estava na equipe do hospital que atendeu Sergei Skripal e sua filha Yulia, ambos envenenados em março de 2018 com o agente químico pulverizado na maçaneta da porta onde o ex-espião morava discretamente, na pequena cidade de Salisbury.

A equipe médica achou inicialmente que os dois, encontrados inconscientes num banco de praça, tinham sofrido uma overdose de opiáceos.

Colocados em coma induzido e entubados, pai e filha conseguiram, incrivelmente, sobreviver. Quando melhoraram um pouco, foram submetidos a traqueostomia.

O tratamento clássico é com atropina, o mesmo fármaco usado nas intoxicações por pesticidas que matam insetos em plantações da mesma forma que os inibidores de colinasterase,  interferindo na comunicação dos músculos com os nervos. Nos humanos, a morte horrível, por paralisia dos pulmões dura de 20 a 30 minutos para chegar.

Além do tratamento intensivo dado os Skripal, os médicos locais também consultaram especialistas de Porton Down, o centro nacional de  esquisas de armas químicas e biológicas que, por incrível coincidência, funciona perto de Salisbury desde a a Primeira Guerra Mundial.

Todos os trajetos dos dois agentes russos enviados para envenenar o ex-espião foram meticulosamente reproduzidos. Suas verdadeiras identidades foram reveladas.

Em represália, Inglaterra e Estados Unidos expulsaram agentes dos serviços secretos russos lotados como diplomatas – uma espécie de tapinha na mão.

Se Putin fez isso num país estrangeiro, o que poderia ser tomado como um ato de guerra, imaginem a liberdade de envenenar “seus” próprios cidadãos em território russo.

O cinismo estarrecedor, uma conhecida arma de Putin e asseclas, com que o caso de Alexei Navalny impressiona até pelos padrões russos.

O “médico de Putin”, Igor Molchanov, insinuou numa rede social  outros motivos para o colapso de Navalny.

“Um jovem político que quer aumentar sua capacidade de resistência e de memória, toma uma grande dose de pílulas, depois não come, bebe demais e tem uma overdose. Não seria isso?”, escreveu, cinicamente.

Os médicos que o atenderam em Omsk, antes de ser transferido para a Alemanha, também falaram que nenhum traço de veneno foi encontrado, só de álcool e cafeína.

Detalhe: Navalny não bebe.

Dimitri Peskok, que mais do que porta-voz é um dos principais operadores de Putin, disse que a Rússia “está pronta e interessada em total cooperação e troca de informações sobre o tema”.

Tradução: danem-se.

Peskov tem uma bronca pessoal com Navalny. Quando se casou, em 2015, em Sochi, usou na festa um relógio Richard Mille no valor de 530 mil dólares. 

É um modelo em que o mecanismo em forma de caveira fica exposto, tão raro que só 30 modelos são fabricados por ano.

Continua após a publicidade

Quem descobriu foi Alexei Navalny, Além de comícios e mobilizações, o oposicionista também tem uma rede de fiscalização de atos de corrupcão dos poderosos do regime. E é aí que a coisa pega.

“Como o secretário de Imprensa do presidente tem um relógio que custa quatro vezes mais seu salário anual?”, perguntou em seu blog.

Peskov acabou alegando que tinha sido um presente da mulher, Tatiana Navka, patinadora artística no gelo.

Navalny não deu sossego. Usando  mecanismos de geolocalização e muita paciência, reproduziu os trajetos da lua-de-mel de Peskov num iate de alto luxo, também totalmente incompatível com sua renda.

Navalny está há bastante tempo no papel de dissidente mais importante da Rússia e, apesar do incômodo, não tem condições de provocar abalos permanentes na estrutura de poder.

Tão seguro está Putin que passou recentemente uma emenda constitucional que lhe garante se perpetuar até 2036.

Não é tolice desgastar-se mandando assassinar seu maior opositor?

Putin não age por impulso e tudo o que faz tem um planejamento estratégico.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine

É possível que tenha achado que a janela de oportunidade era boa: a Europa Ocidental envolvida com a crise do coronavírus, Donald Trump concentrado na luta pela reeleição, a Alemanha magoada com a transferência de tropas americanas (por sua própria culpa, pois não quer bancar o custo) e amarrada pelo acordo de fornecimento de gás russo que a salva do uso antiecológico do carvão.

Ou simplesmente achou que valia a pena correr o risco e depois seguir a política de negar, negar, negar e negar mais um pouco.

“Tudo o que o Kremlin diz que não fez, como se fosse um ladrão pego em flagrante, não significa nada”, resumiu Vil Mirzaianov, o “pai” do Novichok, quando Skripal foi envenenado.

O químico de 83 anos, hoje vivendo em Princeton, teve que se exilar nos Estados Unidos depois que entrou na mira dos serviços russo.

Seu crime foi escrever um artigo, no rápido período de abertura da era pós-soviética, apontando os estoques secretos do agente A-234, criado especificamente para não aparecer nas inspeções da convenção de destruição de armas químicas.

O nome Novichok foi dado justamente porque ele era um “recém-chegado”, um novo elemento no arsenal de seus “parentes”, sarin, tabun e Vx.

O Vx foi utilizado por duas prostitutas contratadas por agentes norte-coreanos para matar o meio irmão de Kim Jong-un no aeroporto de Kuala Lumpur. Uma das mulheres apenas passou um lenço de papel no rosto dele.

O Novishok é dez vezes mais potente, mas mata da mesma forma: por ingestão, respiração ou absorção pela pele. Tem que ser manipulado por pessoas treinadas e pode vir sob a forma de dois agentes separados, que se tornam letais quando juntados na hora.

Incrivelmente, como nos filmes com guinadas que desafiam a credulidade, as duas vítimas mais conhecidas do Novichok, Sergei Skripal e Alesei Navalny, sobreviveram.

A única morte foi de Dawn Sturgess, em Salisbury. Seu companheiro achou no lixo um frasco de perfume Premier Jour, de Nina Ricci, e a presenteou.

Dawn passou o perfume nos pulsos, no gesto comum mas mulheres. Já enfraquecida pelo alcoolismo, não resistiu.

O perfume, incluindo o frasco e a caixa, era um “presente” de Putin.

Continua após a publicidade
Publicidade