Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Não gostou do político eleito? Faça um recall, como vai ter na Califórnia

A trans Caitlyn Jenner, madrasta do clã Kardashian, acha que tem uma chance de derrotar o governador do maior estado americano

Por Vilma Gryzinski 29 abr 2021, 07h35

A praticidade dos americanos é sempre impressionante e o sistema de recall de políticos é mais uma prova disso.

Em 19 estados americanos, é possível convocar uma nova eleição para governador se um abaixo-assinado conseguir número suficiente de adesões. Ao todo, 39 estados permitem que prefeitos, vereadores ou integrantes do judiciário, exceto juízes, escolhidos pelo voto direto sejam submetidos a esse crivo pós-venda, por assim dizer. 

O recall de todos os recalls é o impeachment, que tem mais características de julgamento político-criminal, mas o processo nos estados onde é praticado vai direto à fonte do poder: os eleitores. Se não estiverem satisfeitos com sua escolha, partem para outra.

O recall do momento é o do governador da Califórnia, Gavin Newsom. Por iniciativa de políticos republicanos, que são excepcionalmente minoritários no estado, foi alcançado o número de 1,6 milhão de assinaturas.

No ápice da pandemia, Newsom parecia ter perdido o controle da doença e também o juízo: foi fotografado, sem máscara, no jantar de aniversário em restaurante de luxo de um amigo lobista, se é que tais palavras podem andar juntas. Os californianos comuns só podiam frequentar ambientes abertos.

Pegou muito mal. Mas a onda passou, junto com o pior da epidemia. Sem contar a ajuda emergencial de 600 dólares para os mais carentes, que se soma ao checão do governo federal de 1.400 dólares.

Segundo pesquisas mais recentes, 40% dos californianos votariam contra Newsom, mas 52% preferem continuar com ele.

Além de envolver o governador do mais populoso estado americano, com um PIB de 3,2 trilhões de dólares e renda per capita de 80 mil dólares  – se fosse um país, teria a sexta maior economia do mundo -, o recall californiano virou notícia porque Caitlyn Jenner está querendo disputar o governo.

Medalha olímpica de ouro no decatlo quando ainda se chamava Bruce, ela se tornou a madrasta das irmãs Kardashian e pai das caçulas Jenner, uma atividade na qual adquiriu pós-graduação em autopromoção.

Detalhe curioso: Caitlyn Jenner votou em Donald Trump em 2016 e cogita fazer carreira política pelo Partido Republicano. Já criou um time de assessores experientes justamente nas campanhas de Trump, incluindo Brad Parscale, o gênio das redes digitais que depois se envolveu em briga conjugal com interferência da polícia.

Continua após a publicidade

A Califórnia já tem o precedente da eleição de uma celebridade do show business, o fortão Arnold Schwarzenegger, eleito justamente por causa de um recall. 

Em 2003, o governador Gray Davis enfrentou um alinhamento astral de problemas criados por ele mesmo e pela natureza, inclusive um dos maiores incêndios da história do estado, e acabou perdendo para o ator austríaco casado com uma jornalista do clã Kennedy. Foi apenas o segundo caso de governador a perder uma eleição suplementar.

Além de republicanos mais tradicionais, aspiram a candidatura figuras folclóricas como a atriz pornô Mary Carey – quase uma tradição; o notório Larry Flynt, da revista Hustler e do processo famoso na Suprema Corte, perdeu a eleição de 2003 ganha por Schwarzenegger. 

Para ser candidato, é preciso apenas pagar uma taxa de 4.200 dólares, o que atrai um bocado de gente atrás de promoção na terra em que fama é tudo.

Concorrer com Caitlyn Jenner não é fácil nesse quesito. Ela se desprendeu do clã das filhas e fez seu próprio reality show, acompanhando a transição da mudança de gênero. Também, claro, escreveu um livro no qual conta que fez a “operação final”, tirando um pênis que “não servia para nada”, embora, como homem, tenha tido três casamentos e uma prole de dez, entre filhos e enteados.

Caitlyn Jenner já enfrenta um problema interessante: associações de trans a criticam por ter apoiado Trump na primeira campanha presidencial, considerando-a uma traidora da categoria.

Se fosse eleita, haveria um primeiro cavalheiro? De jeito nenhum, seria banal demais.

Caitlyn Jenner tem uma relação não completamente esclarecida com Sophia Hutchins, ex-Scott Hutchins. Ambas mantém um deliberado ar de mistério sobre a relação, que dizem ser platônica, mas consideram para a vida toda. Sophia também administra um ramo dos negócios da amiga/companheira.

Caitlyn tem 71 anos e Sophia, 25. Mesmo com mudança de gênero, certas coisas permanecem as mesmas.

Se for candidata, vai ser uma campanha daquelas que viram filme ou série. Aliás, como tantas outras coisas na Califórnia.

Continua após a publicidade
Publicidade