Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Jogador como metáfora nacional: sina de argentinos e brasileiros

Com poucas narrativas de identidade nacional, futebolistas tornam-se símbolos poderosos inclusive, ou principalmente, quando fracassam

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 26 nov 2020, 11h44 - Publicado em 25 nov 2020, 15h30

Tendo nascido para a grandeza olímpica, o lugar reservado a apenas um punhado de escolhidos, Diego Maradona viveu uma vida bem menor do que era em campo.

Como tantos outros, propulsionados da infância pobre para a celebridade incomparável do futebol, Maradona não conseguiu coadunar o que era em campo com o que deveria ser fora dele.

Um pouco como as duas grandes nações do futebol, Argentina e Brasil, não correspondem ao padrão que seus vastos territórios e grandes riquezas fariam prever. Somos sempre gigantes patinando, erguendo-nos para tropeçar em seguida, num ciclo que parece interminável.

Os jogadores como metáfora dos países onde nasceram, e do qual se vão tão cedo – “Vivemos muito tempo fora e sentimos saudade”, dizia El Diez –, são um lugar comum quase irresistível. Inclusive pelo que carrega de verdadeiro.

Como a Argentina das crises ciclotímicas, Maradona caiu, caiu e caiu mais um pouco. A cada vez que se levantou, retornou a um lugar um pouco menor do que antes.

A Argentina é viciada em populismo e Maradona foi viciado em cocaína – duas substâncias poderososíssimas.

“A droga é como um Pac-Man que vai engolindo toda a sua família”, definiu ele.

Continua após a publicidade

Os melodramas, as milongas, a malandragem, as cirurgias plásticas, as dívidas com o fisco, o Che Guevara tatuado no braço, tudo em Maradona encarnou a argentinidade popular – embora, obviamente, o pessoal do country club, os refúgios da elite, o venerasse com a mesma paixão do povão.

O esportista que chega ao Olimpo e destrói a si mesmo não é uma exclusividade argentina ou brasileira, mas nos diz mais justamente por sermos países enormes, em grande parte feitos por imigrantes, com buracos na narrativa nacional que o futebol ocupou e projetou de maneira incomparável.

A ideia do jogador como um provedor de momentos de felicidade ao povão sofrido também é comum aos dois países.

“Se morrer, quero voltar a nascer e quero ser jogador de futebol. E quero voltar a ser Diego Armado Maradona. Sou um jogador que deu alegria ao povo e isto me basta e sobra” dizia ele.

Mais recentemente, na última entrevista que deu, ao Clarín, Maradona se definiu assim:

“Fui e sou muito feliz. O futebol me deu tudo o que tenho. E se não tivesse tido esse vício, poderia jogar muito mais. Mas tudo isso é passado”.

O jornalista Julio Chiappetta, que publicou a entrevista, escreveu: “Morreu Diego Armando Maradona e o mundo já não é o mesmo”.

Definiu, praticamente, a essência da argentinidade.

Continua após a publicidade
Publicidade