Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Genocídio incontestável: única palavra que define massacre dos armênios

Mais de cem anos já se passaram, mas a Turquia ainda se revolta quando a palavra é usada para descrever o que aconteceu com população armênia

Por Vilma Gryzinski 28 abr 2021, 08h29

Joe Biden fez muito bem em usar a palavra genocídio para classificar os crimes inomináveis cometidos pela Turquia, num momento histórico de enormes mudanças, contra os armênios, uma minoria cristã que vivia principalmente na região da Anatólia Oriental.

A palavra genocídio ainda nem existia quando começaram as campanhas de deportação em massa através de marchas forçadas para fora do país, sob a acusação de que os armênios eram colaboradores da Rússia, a potência protetora dos cristãos ortodoxos, ela própria perto de entrar no grande abismo da revolução e dos massacres em massa.

Foi o judeu polonês Raphael Lemkin quem cunhou a palavra para definir o extermínio em massa de todo um povo promovido pela Alemanha nazista que ficou conhecido como Holocausto.

Mas o uso sistemático da violência para eliminar um povo inteiro é a única maneira de tentar entender o que foram as atrocidades coordenadas e sistematizadas para varrer os armênios não só do mapa da Turquia como da face da Terra.

Pelo menos 1,5 milhão de pessoas, civis arrancados de suas casas e privados de qualquer propriedade, foram obrigados a marchar em direção ao deserto da Síria, sem comida nem água, em condições atrozes, com o objetivo específico de que morressem no caminho.

As histórias são muito parecidas com as que viriam a acontecer entre os judeus da Polônia ocupada pelos nazistas ou entre os tutsis de Ruanda. Civis impotentes sendo massacrados em série, fuzilados, enforcados, violentados e obrigados a uma longa marcha de horrores. 

Num dos episódios mais lancinantes, um comandante curdo exasperou-se com as crianças que teimavam em sobreviver ao martírio, tendo espantosamente chegado a pé até a Síria. Mandou encher um navio com elas, soltar a âncora e incendiar a embarcação.

Os executores do genocídio eram curdos, minoria étnica muçulmana que até hoje procura sua própria independência na Turquia e países vizinhos.

As ordens vinham de cima e eram incontestáveis. O ápice do genocídio dos armênios foi em 1915, quando a Turquia estava na transição entre o poderoso mas já alquebrado império otomano e a república laica que seria criada em 1923 e absurdamente envolvida do lado alemão na I Guerra Mundial. O processo se prolongou por anos.

Mesmo no caos que mudaria o mapa da Europa, as atrocidades contra os armênios levaram potências navais europeias a mandar navios tentando resgatar os refugiados que conseguissem chegar até as linhas costeiras. Frequentemente, eram estraçalhados a tiros de canhões turcos quando pareciam estar tão perto da salvação.

Continua após a publicidade

Depois da guerra, a Turquia encolheu e virou um país nominalmente laico, sob o comando férreo de Kamal Ataturk, que modernizou o país na marra. Muitos governos se sucederam depois e hoje o presidente Recep Tayyp Erdogan é um islamista mal disfarçado, que abomina o modelo de república laica.

Em comum entre todas as diferentes correntes política e religiosas existe a violenta rejeição a que sequer seja usada a palavra genocídio para definir o que aconteceu com os armênios há mais de um século.

Erdogan tem uma grande caixa de ferramentas para chantagear os países que ousam dar nome aos bois. A Turquia foi um aliado vital da aliança atlântica, a OTAN, na época da guerra fria com a União Soviética. 

Continua a ocupar uma posição estratégica e a insinuar alianças com o Irã e a Síria. Tem ainda uma poderosa bomba humana: os mais de dois milhões de refugiados da guerra civil síria em seu território. Volta e meia, ameaça a Europa Ocidental com mais uma crise de refugiados se suas vontades não forem atendidas.

Quantas pessoas morreram no holocausto armênio? Os próprios armênios fecham com o número de 1,5 milhão. A Turquia diz que foram 300 mil. Uma associação internacional de especialistas em genocídio, a IAGS, considera que houve “mais de um milhão” de mortes.

Durante gerações, os armênios que se espalharam pelo Oriente Médio, a Europa, os Estados Unidos e o Brasil mantiveram viva a memória de uma das maiores monstruosidades da história humana. Os mortos inocentes merecem ser lembrados. 

Usar a palavra genocídio para descrever o que sofreram não deve ser de forma alguma uma maneira de ofender as gerações atuais de turcos ou macular o orgulho nacional. Idealmente, a atrocidade dos antepassados deveria ser reconhecida, aceita e lamentada como um fato histórico doloroso. 

Como estamos muito longe do ideal, é bom que os Estados Unidos tenham reconhecido uma realidade já incorporada oficialmente por países como França, Alemanha, Canadá e o próprio Brasil. 

Depois de reclamar muito, como está fazendo agora com os Estados Unidos, o reconhecimento do genocídio é assimilado e a história some do mapa. Inclusive porque ninguém fala em indenizações, como no caso do extermínio dos judeus europeus.

Até que ressurja em outras circunstâncias. A terrível e maligna sombra do genocídio cujo nome os turcos se recusam a dizer não vai desaparecer facilmente.

Continua após a publicidade
Publicidade