Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Desconstruindo o governador de Nova York: o inferno astral de Cuomo

Revelações sobre crueldade com idosos durante o ápice da pandemia a acusações de assédio sexual estilhaçam a imagem que o político construiu

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 12 mar 2021, 00h24 - Publicado em 1 mar 2021, 08h00

Andrew Cuomo tem um ego do tamanho do Empire State Building. Nesse caso, como em muitos similares, quanto maior o ego, maior a queda.

Há poucas semanas, ele era tratado, literalmente, como uma estrela. Chegou a ganhar um Emmy “em reconhecimento por sua liderança durante a pandemia de Covid-19 e a maestria no uso da televisão para informar e acalmar pessoas em todo o mundo”. 

Constrangedora pelo tom bajulatório mesmo antes que o planeta Cuomo começasse a entrar em rota recessiva, a justificativa para dar a um político um prêmio destinado a atores e programas de televisão hoje parece ter vindo de um outro tempo.

Pior, possivelmente, só o título do livro que ele escreveu para exaltar a si mesmo – Crise Americana: Lições de Liderança da Pandemia de Covid-19.

Em nenhum capítulo, obviamente, ele menciona que , no pico da pandemia, assinou a ordem para obrigar asilos geriátricos a aceitar de volta idosos internados em hospitais, sem que fossem testados – uma porta terrível para a disseminação da doença exatamente entre as mais vulneráveis de todas as suas vítimas.

Pior, há sérias suspeitas, que estão sendo oficialmente investigadas, de que manipulou os dados sobre as mortes nos asilos, camuflando cerca de oito mil das 15 mil mortes ao determinar que fossem computados apenas os óbitos efetivamente ocorridos nas clínicas, e não dos que tivessem sido transferidos delas para hospitais.

E ninguém achará qualquer referência sobre a burrice sem tamanho, nos Estados Unidos de hoje, de fazer avanços sobre funcionárias extraordinariamente parecidos com atos de assédio sexual.

É quase inacreditável que um político escolado como ele, filho de um legendário figurão do Partido Democrata, Mario Cuomo, e ex-marido de uma Kennedy, não tenha captado os perigos de abordar mulheres que trabalhavam com ele com insinuações e, pelo menos uma vez, com um beijo “roubado”.

As acusações são feitas por Lindsey Boylan (“Que tal um jogo de strip pôquer?”) e Charlotte Bennett (“Já fez sexo com homens mais velhos?”).

Como progressista de carteirinha, Cuomo tem que desmentir as acusações sem parecer que está denegrindo as mulheres que as fazem.

Ele “lamenta verdadeiramente” que comentários feitos em ambiente de trabalho tenham sido “mal interpretados como flerte indesejado”.

É um jogo para equilibristas políticos, uma atividade na qual sempre se revelou um ás, mas no qual entra já em posição de inferioridade: qualquer coisa que diga soa como um desmerecimento das acusadoras.

Cuomo realmente teve um comportamento destacado durante as mais de cem entrevistas que deu diariamente, enquanto o estado sob seu comando afundava na epidemia que ceifou 47 mil vítimas, um número altíssimo para uma população de 20 milhões de habitantes.

Fazendo o gênero mangas arregaçadas e objetividade misturada com arroubos emocionais, o governador que já foi eleito o homem mais sexy dos Estados Unidos por causa do estilo ogro, Cuomo  foi exaltado tanto por sus qualidades quanto, e talvez principalmente, por funcionar como um contraponto ao estilo aleatório de Donald Trump em relação à pandemia.

Continua após a publicidade

Exaltar Cuomo era criticar Trump, e isso funcionou extremamente bem para o governador. Agora, o antagonista está fora do jogo.

Além dos adversários republicanos, o governador enfrenta a hostilidade nada disfarçada das alas mais à esquerda do Partido Democrata. A deputada Alexandria Ocasio-Cortez, por exemplo, está pedindo uma investigação independente sobre as acusações “extremamente sérias” de assédio sexual.

Cuomo nomeou uma juíza aposentada, Barbara Jones, para fazer a investigação, numa atitude que não parece ter muito futuro pelas dúvidas, justificadas ou não, sobre sua independência.

As acusações, por enquanto, devem ser vistas como são, não como prova definitiva de comportamento abusivo.

Um caso recente de político importante acusado de crimes sexuais, Alex Salmond, ex-primeiro-ministro da Escócia, demonstrou como o julgamento da opinião pública pode ser precipitado. Acusado por nada menos que nove mulheres de assédio, agressão e tentativa de estupro, ele foi absolvido por um júri composto por oito mulheres e cinco homens.

Salmond agora quer provar que foi vítima de uma manobra interna em seu partido, o independentista Partido Nacional Escocês, e está numa briga de foice com sua sucessora, Nicola Sturgeon. 

O político mais destacado já condenado por crime sexual foi o ex-presidente israelense Moshe Katsav. Ele cumpriu cinco dos sete anos da pena de prisão a que foi condenado.

O posto de presidente é apenas cerimonial, mas mesmo assim foi uma experiência chocante para o país, em especial por causa do histórico de Katsav, um protótipo das dores do nascimento do Estado como judeu iraniano que imigrou para Israel com a família quando era criança e foi criado num campo para refugiados.

Mas certamente teria sido pior se o caso tivesse sido varrido para baixo do enorme tapete que tantas vezes esconde abusos dos poderosos.

As acusações feitas contra Cuomo não envolvem violência, mas atos indecorosos quando praticados por alguém em posição de poder.

Andrew Cuomo pretende ser uma espécie de governador eterno de Nova York. Como não existem limites para o número de mandatos, ele está no terceiro – como o pai – e já anunciou que quer disputar o quarto, em 2022.

“Cuomo centralizou o poder como nenhum outro governador dos tempos modernos e acabou vendo a si mesmo como intocável”, analisou no New York Post o colunista Michael Goodwin.

Quando parecia uma voz clamando no deserto no auge da pandemia, chegou a ser cogitado, e não pela primeira vez, como um potencial presidenciável. Não parece ser isso o que quer – e, possivelmente, o que pode.

Por seu perfil, Cuomo vai lutar o quanto puder. E depois mais um pouco. Como em política o fator sorte sempre tem uma influência grande, pode ser que os atropelos atuais sejam neutralizados e eventualmente esquecidos.

E o Emmy estará sempre na estante para lembrar Andrew Cuomo de seus dias de glória.

Continua após a publicidade
Publicidade