Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brancos demais? Um mundo sem Bach, Beethoven, Brahms, Mozart…

É claro que os gênios da música - europeia, branca, masculina e quase sempre cristã- não iam escapar dos expurgos politicamente corretos

Por Vilma Gryzinski 20 set 2021, 07h42

Ninguém espera que, hoje, um artista pinte como Monet ou esculpa como Rodin, mas a música ocupa um lugar tão único que o piano continua a ser tocado como Chopin o fazia. Ou Beethoven. Ou algum dos outros grandes mestres cuja genialidade paira acima de inovações, sem que isso signifique que tenha parado no tempo.

Ou pairava. Depois de sobreviver a tantas tentativas de desconstrução, a música clássica agora enfrenta um novo destino: o exílio.

É “cada vez mais comum na musicologia” a visão de que “as obras musicais do século XIX são produto de uma sociedade imperial e que o cânone da música clássica precisa ser descolonizado”.

Foi com esta conclusão que Paul Harper-Scott, um conhecido professor de história e teoria musical do Royal Holloway, parte da Universidade de Londres, decidiu simplesmente abandonar o mundo acadêmico.

Como está de saída, o professor de 43 anos não economizou nas palavras. Disse que por causa das análises distorcidas, os departamentos de música podem vir a “parar de ensinar Beethoven, Wagner e companhia”, com base na “convicção francamente insana de que isso de alguma maneira melhore as condições de vida dos desprivilegiados economicamente, socialmente, sexualmente, religiosamente ou racialmente”.

“Se as universidades se tornarem um lugar onde o compromisso com o ceticismo e o pensamento crítico se torne crescentemente impossível, deixarão de servir a qualquer função útil. Não estou otimista”, desabafou o professor.

Pode parecer exagero, mas o movimento de “descolonização” – ou desmasculinização ou desbranqueamento – que começou pelos departamentos de literatura, hoje alcança todas as esferas do mundo acadêmico. É claro que a música, como ápice da arte europeia, ocidental e cristã, não escaparia dos novos cânones politicamente corretos.

Continua após a publicidade

Cedendo, alegre ou covardemente às bases, professores de Oxford já disseram no começo do ano que cursos de música onde são ensinadas as obras de Beethoven e Mozart têm um foco excessivo na “música europeia branca do período escravagista”.

Como esta última designação abrange toda a história da humanidade, tendo começado a ser repudiada por obra do pensamento ocidental avançado, é possível que a nova inquisição queira um mundo sem música (ou talvez só com música atonal, o que é praticamente a mesma coisa).

Do outro lado do Atlântico, na Universidade de Delaware (onde estudou Joe Biden), o diretor do Departamento de Música, Paul Head, “reconhecendo” que os alunos selecionados por currículo e apresentações acabam tendo muitos estudantes com formação em música ocidental (o curso é de música, certo?). A alternativa seria “mudar o currículo para dar aos estudantes a liberdade de estudar outros gêneros de música fora a clássica”.

Ah, sim, o sistema de notação musical, escreveu um aluno no. Jornal da faculdade, também tem um pé na supremacia branca.

E os fenomenais músicos negros americanos que criaram o jazz apropriando-se brilhantemente de tudo, dos hinos religiosos à música clássica? E os musicistas asiáticos que se tornam estrelas? E uma Jessye Norman? E o mestiço Carlos Gomes?

“Sou um tupi tangendo um alaúde”, escreveu Mário de Andrade sobre a pororoca cultural que nos produziu. Pelos padrões atuais, provavelmente ele também vai, ironicamente,  para a categoria supremacista branco.

É curioso imaginar o que ele diria ao ver a civilização ocidental se suicidar sem nem poder ouvir um Réquiem de Mozart.

Continua após a publicidade
Publicidade