Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Venda de livros cai 20% nos primeiros quatro meses do ano

Cerca de 3,1 milhões de exemplares a menos foram vendidos, em relação ao mesmo período de 2018

Os números continuam a mostrar que o mercado livreiro ainda está em crise. Um balanço divulgado pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) com a Nielsen Bookscan mostrou que o volume de vendas acumuladas até abril de 2019 caiu 20,31%, em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2018, 15,3 milhões de livros físicos haviam sido vendidos no primeiro quadrimestre, enquanto em 2019, foram 12,1 milhões – cerca de 3,1 milhões de exemplares a menos. Consequentemente, o faturamento caiu 19,21%.

Entre os gêneros, os livros infantis e juvenis, que representavam 31,39% do faturamento acumulado de 2018, passaram a representar 27,36% neste ano – uma queda de 4,03%. Já as obras de não-ficção trade – ou seja, de interesse geral – cresceram em 2,76%, passando a representar 24,23% do faturamento total. Os livros de ficção e não ficção especialista – como livros técnicos e acadêmicos – cresceram 1,13% e 0,14%, respectivamente.

O preço médio dos livros subiu 1,38%, de 47,49 reais para 48,15 reais. As editoras reduziram a concessão de descontos em 4%.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Não me digam!!!!! Em um país em que os cortes de verbas sempre miram a educação, como haverá alguém interessando em comprar livros? São os governos de terceiro e quarto mundo que aponta sempre seu arsenal perverso par aquilo que é mais sagrado em um homem. A capacidade do pensamento. A crítica e não ficar apenas no raso senso comum.

    Curtir