Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
VEJA Meus Livros Por Blog Um presente para quem ama os livros, e não sai da internet.

Leia um conto de Alice Munro, a Nobel de Literatura de 2013

Por Raquel Carneiro - Atualizado em 16 fev 2017, 14h36 - Publicado em 10 out 2013, 13h42

Alice-Munro-Derek-Shapton-originalA escritora canadense Alice Munro, de 82 anos, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura 2013, é uma das mais importantes contistas da língua inglesa contemporânea. Sem nenhum proselitismo feminista, ela rompe com padrões literários e insere elementos como recortes de jornais e cartas em seus textos, indo além da estrutura tradicional do conto, como explica Maria das Graças Gomes Villa da Silva, professora de Literatura Inglesa da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

No conto O Amor de uma Boa Mulher, publicado no livro homônimo de 1998, é possível perceber o tom bucólico da história, que se passa em uma pequena cidade, cenário preferido da autora. O livro foi publicado no Brasil neste ano, pela editora Companhia das Letras, que cedeu o conto que dá título a obra para VEJA Meus Livros:

Nas últimas duas décadas, um museu em Walley tem se dedicado a preservar fotografias, batedeiras de manteiga, arreios de cavalo, uma velha cadeira de dentista, um descascador de maçãs pouco prático e outras curiosidades, como aqueles pequenos e bonitos isoladores de porcelana que costumavam ser usados nos postes telegráficos.

Há também uma caixa vermelha onde estão impressas as letras d. m. willens, optometrista, com uma nota ao lado que diz: “Esta caixa de instrumentos de optometria, embora não muito antiga, tem considerável importância local por haver pertencido ao sr. D. M. Willens, que se afogou no rio Peregrine em 1951. A caixa escapou do desastre e foi presumivelmente descoberta pelo doador anônimo que a ofereceu para fazer parte de nossa coleção”.

Publicidade

O oftalmoscópio faz lembrar um boneco de neve. Isto é, a parte de cima — a que se prende ao cabo oco. Um grande disco, com outro menor no topo. No disco grande, um buraco pelo qual se olha enquanto as lentes são mudadas. O cabo é pesado porque ainda contém as baterias. Caso elas fossem retiradas e se encaixasse a vareta também disponível, com um disco em cada extremidade, seria possível ligar o aparelho a uma tomada elétrica. Mas talvez tenha sido necessário usá-lo em lugares onde não havia eletricidade.

O retinoscópio dá a impressão de ser mais complicado. Abaixo da banda curva de metal que o mantém fixo na testa do optometrista, existe algo semelhante à cabeça de um duende, com um rosto em forma de bolacha e um gorro pontudo de metal. Essa peça faz um ângulo de quarenta e cinco graus com uma haste fina no alto da qual se situa um pequeno foco de luz. A face achatada é feita de vidro, servindo como um espelho de fundo escuro.

O aparelho é todo pintado de preto, mas, nos lugares em que foi maior o contato com a mão do optometrista, a tinta desapareceu e se podem ver partes do metal prateado. Clique aqui para ler mais do conto.

Publicidade