Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Meus Livros Por Blog Um presente para quem ama os livros, e não sai da internet.

‘Há machismo na internet’, diz a youtuber Jout Jout

Dona de um canal com quase 1 milhão de inscritos e autora do livro ‘Tá Todo Mundo Mal’ falou sobre feminismo e internet na Bienal do Livro de SP

Por Meire Kusumoto Atualizado em 25 mar 2021, 16h33 - Publicado em 30 ago 2016, 19h17

A youtuber Jout Jout

Rafael Aloi

Youtuber brasileira mais feminista da atualidade, e agora também escritora, Jout Jout participou de uma conversa com fãs nesta terça-feira na Bienal do Livro de São Paulo e discutiu justamente o espaço da mulher na internet. “Ainda há muito machismo na internet”, afirmou a dona do canal Jout Jout Prazer, que conta com mais de 990.000 inscritos, e autora do livro Tá Todo Mundo Mal (Companhia das Letras).

LEIA TAMBÉM:
Isabela Freitas se diz pioneira de youtubers: ‘Das primeiras’
Agora autora, Valesca Popozuda diz que leu último livro ‘há um tempo’
Carro-chefe da Bienal, youtubers duplicam presença no mercado de livros
‘O mundo precisa de amor’, diz Audrey Carlan, novo fenômeno erótico

Jout Jout explica que não enfrentou muitas dificuldades para conseguir seu espaço online, mas que já ouviu reclamações desse tipo de outras youtubers. “Mais de 70% dos youtubers são homens, isso é difícil. A gente precisa ocupar mais esse espaço, não necessariamente falando sobre feminismo ou sobre mulheres – você pode e deve falar sobre o que quiser”, pontuou a youtuber, que fala de assuntos variados nos vídeos de seu canal, de séries da Netflix a princípios da física.

“Há uma onda forte de feminismo agora. Porém, também em outras áreas, por exemplo, em algumas agências publicitárias que fazem campanhas maravilhosas e super feministas, os salários dos funcionários homens e mulheres são diferentes. Não pode ser só uma modinha, tem que ser real”, disse Jout Jout.

A youtuber, porém, acredita que não só o machismo tem seu papel na dificuldade que as mulheres encontram para garantir seu espaço na internet – algumas também enfrentam a falta de recursos e outras o medo de não ter o que dizer. “A gente só precisa ir lá e fazer. Existem aquelas mulheres que têm problemas reais com falta de dinheiro, que não têm uma câmera ou computador. Outras têm tudo o que precisam, mas pensam: ‘O que eu vou falar ou acrescentar de novo?’”. Ela sugere que as mulheres tentem superar esse medo e sigam em frente mirando uma sociedade mais igualitária.

Youtuber Jout Jout dá autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo 2016 (Crédito: Rafael Aloi/VEJA)Youtuber Jout Jout dá autógrafos na Bienal do Livro de São Paulo 2016 (Crédito: Rafael Aloi/VEJA)

Continua após a publicidade
Publicidade