Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Uma das torres derrubadas de Guedes volta a subir

 Ministro da Economia costuma dizer que esse governo derrubou a torre dos juros altos, mas ela está subindo

Por Matheus Leitão 4 ago 2021, 12h02

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, gosta de imagens fortes quando fala, e isso o Brasil já entendeu no estilo dele. Normalmente, quando conta a história da sua gestão, Guedes usa a imagem das torres gêmeas. 

Diz que a reforma da Previdência derrubou a torre do déficit público. Na verdade, está longe disso. Mas a reforma significou sim uma mudança nos custos da Previdência. 

Depois, diz que derrubou a torre dos juros. Na verdade, quem derrubou mesmo foi o governo Temer que reduziu de 14,25% para 6,5%. O governo Bolsonaro completou o trabalho e levou a 2%. Já está em 4,25% e subindo. 

Hoje, se a alta for de um ponto percentual, a Selic vai para 5,25%. E o que os economistas dizem é que não vai parar por aí e que chegará no fim do ano em 7% ou mais. A torre dos juros terminará o ano mais alta do que quando o governo começou. 

Guedes terá que parar de falar dessa queda da Torre como obra sua, e o presidente Bolsonaro já deve estar arrependido do projeto de independência do Banco Central. Acontece que sem independência do BC a inflação subiria ainda mais. E, portanto, os juros.

Continua após a publicidade

Publicidade