Clique e assine a partir de 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Rodrigo Maia diz que Bolsonaro é um político de extremo e de nicho

Para deputado, presidente soube organizar uma extrema direita sem voz e parte da classe média com o discurso de valores, que nunca foi seu tema de atuação

Por Matheus Leitão - Atualizado em 27 jul 2020, 11h23 - Publicado em 27 jul 2020, 11h02

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, condenou nesta segunda-feira, 27, o radicalismo na política brasileira impulsionado pelo governo Jair Bolsonaro. Disse também que as redes sociais têm sido usadas para pressionar as instituições. Maia destacou que a polarização vem crescendo desde 2013, pelo petismo e antipetismo, e por conta das agendas que foram colocadas, sendo elas progressistas ou conservadoras. O político deu as declarações em seminário do jornal O Globo.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

“O presidente Bolsonaro sempre foi um político de extremos, sempre foi um político que falava para nichos. E percebendo esse espaço, organizou a polarização dele. Ele conseguiu organizar o campo na extrema direita que estava sem voz e uma classe média majoritariamente conservadora com o discurso de valores, que não era o seu tema [de atuação]”, disse Rodrigo Maia no encontro online.

De acordo com o político carioca, o que mais o preocupa é que a polarização nas redes sociais foi sendo usada para construir uma narrativa e gerar uma pressão sobre as instituições democráticas. “No pós-eleição, há atuação mais forte desses movimentos radicais nas redes sociais. E esse é o maior problema. Criaram a narrativa de que o presidente ganhou e pode tudo, sendo que na democracia não é assim. E de que os poderes estão contra o governo, quando eles estão apenas cumprindo seu papel institucional”.

Publicidade