Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Por que Bolsonaro decidiu incendiar o país

Presidente demonstra falta de compromisso com o Brasil e não apresenta prova de suas graves acusações

Por Matheus Leitão 30 jul 2021, 13h46

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou sua total falta de compromisso com o país nesta quinta-feira, 29, durante a transmissão na qual ele prometeu que apresentaria provas de que as eleições têm sido fraudadas nos últimos anos.

Depois de passar dias anunciando que mostraria provas de suas graves acusações contra o trabalho do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a transmissão do presidente não teve nada de concreto. Segundo ele, não há provas, mas indícios de fraude.

Mais uma vez, fica claro que Bolsonaro quer incendiar o país num momento em que os brasileiros precisam de um banho frio para acalmar os ânimos enquanto passamos pela pandemia mais avassaladora dos últimos tempos.

Alguém precisa dar um basta em Bolsonaro. O TSE é um órgão sério, que tem toda a sua atividade auditada. Os profissionais que trabalham ali são capacitados, concursados e não estão brincando com o país, como o presidente tem feito. As urnas são invioláveis e isso já foi comprovado também.

Considerando que Bolsonaro venceu todas as eleições que disputou para deputado e que venceu as últimas eleições presidenciais com as urnas que ele tanto condena, o único motivo que justifica essa postura é o medo da derrota. Segundo as pesquisas, se as eleições acontecessem hoje, não haveria reeleição de Bolsonaro. Amedrontado pela possibilidade de perder o poder, o presidente lança acusações falsas, ofende as instituições e desrespeita o processo democrático do país.

O Brasil precisa de pacificação. Bolsonaro precisa parar de pensar nas eleições de 2022, parar de mentir e começar a trabalhar ativamente para recuperar o país que, por enquanto, ele governa.

Continua após a publicidade
Publicidade