Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Pesquisa traz números assustadores para Bolsonaro – e alívio para Lula

Brasileiros não confiam e não aprovam presidente enquanto petista sobe nas pesquisas

Por Matheus Leitão 23 set 2021, 13h35

A pesquisa Ipec divulgada nesta quarta-feira, 22, é estarrecedora para o presidente Jair Bolsonaro e promissora para o ex-presidente Lula.

Segundo o levantamento, 68% dos brasileiros desaprovam a forma como o presidente governa e 69% não confiam nele. Os números assustam: dois terços da população brasileira não aprova e não confia em Bolsonaro.

A situação é completamente adversa e, além da pandemia do coronavírus, a situação econômica só produz fatos que pioram o cenário para o governo.

Com a inflação subindo, o Banco Central decidiu aumentar a taxa básica de juros pela quinta vez consecutiva, fixando a Selic em 6,25% ao ano, e sinalizou que a alta deve continuar. A desaprovação do governo está altíssima e deve continuar assim.

Do outro lado da pesquisa, outra péssima notícia para Bolsonaro: Lula segue com números que, se confirmados, podem lhe garantir uma vitória em primeiro turno nas eleições do ano que vem.

No primeiro cenário analisado pelo levantamento, com cinco candidatos, Lula teria 48% das intenções de votos válidos contra 23% de Bolsonaro, 8% de Ciro Gomes, 3% de João Doria e 3% de Luiz Henrique Mandetta.

Em um segundo cenário, com mais candidatos, Lula ainda teria 45% das intenções de voto contra 22% de Bolsonaro.

A pesquisa também mostra que há pouquíssimo espaço para uma terceira via, fragmentada com diversos nomes e sem forças para vencer a absoluta polarização entre Lula e Bolsonaro.

Embora diga que não acredita em pesquisas, o presidente deveria olhar com atenção para os números que mostram como o Brasil enxerga a postura do atual governo. Sem aprovação e sem confiança, não há como governar.

Continua após a publicidade
Publicidade