Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Os dois espinhos de Rosa em Lira

Ministra do STF paralisa o presidente da Câmara em sua agenda governista

Por Matheus Leitão Atualizado em 8 nov 2021, 16h34 - Publicado em 8 nov 2021, 16h32

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), parou o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. O líder do centrão se viu com as mãos atadas e vai começar a semana tendo que dar explicações.

Primeiro, a magistrada mandou suspender a execução do orçamento secreto e deixou clara a ocultação que acontece na operação.

“Enquanto as emendas individuais e de bancada vinculam o autor da emenda ao beneficiário das despesas, tornando claras e verificáveis a origem e a destinação do dinheiro gasto, as emendas do relator operam com base na lógica da ocultação dos efetivos requerentes da despesa, por meio da utilização de rubrica orçamentária única (RP 9)”, escreveu.

Depois, a ministra deu prazo de 24 horas pra Lira explicar a tramitação da PEC dos Precatórios. Em relação à PEC, Rosa Weber foi incisiva. Depois do pedido de Rodrigo Maia alegando que a aprovação da proposta foi “uma sequência de graves violações ao devido processo legislativo”, a ministra estipulou o prazo para explicações antes de analisar a liminar.

“A alta relevância do tema em debate, assino o prazo de 24 (vinte e quatro) horas às autoridades impetradas, para prestarem as informações que reputarem pertinentes, antes do exame do pedido de medida liminar”, escreveu.

As ações são um golpe nas atitudes de Lira. O presidente da Câmara tem trabalhado pelo governo e agora terá que explicar, por exemplo, por que permitiu votação remota de deputados que estavam na Escócia para conseguir aprovar a PEC dos Precatórios.

Com as decisões, Rosa Weber também dá uma flechada no governo Bolsonaro, que tenta a todo custo aprovar a proposta para pagar o Auxílio Brasil.

Na tarde desta segunda, 8, Lira marcou uma reunião com o presidente do STF, ministro Luiz Fux, para falar sobre a suspensão da execução das emendas de relator.

O resultado da reunião vai mostrar se Lira tem força  para continuar os planos governistas ou se ele vai ter que parar com as acrobacias dentro da Câmara para aprovar projetos.

Continua após a publicidade

Publicidade