Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O vazamento que irritou senadores na CPI

Na reta final, Comissão tropeça, cria atrito interno e vira uma fogueira de vaidades

Por Matheus Leitão 18 out 2021, 12h42

O adiamento da apresentação do relatório final da CPI da Covid tem a ver com o vazamento de informações do documento que irritaram senadores que fazem parte da comissão.

A coluna apurou que a divulgação de trechos do relatório e dos crimes pelos quais o presidente Jair Bolsonaro vai ser acusado iniciou uma briga de egos dentro da CPI e foi vista como um “atropelo” nos trabalhos do grupo.

Inicialmente, a ideia era liberar o documento de mais de mil páginas nesta segunda, 18, para que a leitura fosse feita na terça, 19. No entanto, o mal estar gerado pelo vazamento de informações fez a comissão adiar os planos.

Nos bastidores, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão, é visto como o responsável pela divulgação de trechos do relatório.

Outro ponto crítico da CPI neste momento é o fato de que alguns senadores decidiram elaborar relatórios paralelos, o que enfraquece a conclusão dos trabalhos da comissão. Um dos documentos estaria sendo montado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

É uma pena que, na reta final, a CPI da Pandemia esteja tendo atropelos e atritos internos. Desde maio deste ano, os senadores têm feito um trabalho importantíssimo para o país, revelando um esquema de corrupção dentro do Ministério da Saúde e mostrando como empresas como a Prevent Senior fizeram experiências com pacientes em meio à pandemia.

Além disso, a comissão mostrou como o governo foi negligente na compra das vacinas e responsável pelo agravamento da crise pelo atraso na imunização.

Cinco meses após o início dos trabalhos da CPI, a população brasileira espera que os senadores deixem de lado os atritos e o ego e divulguem um relatório que responsabilize quem se omitiu ou falhou no combate à maior crise sanitária das últimas décadas.

Continua após a publicidade

Publicidade