Clique e assine a partir de 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O silêncio seletivo do presidente Bolsonaro

Chefe do governo falou sobre temas variados, de criticas à imprensa até estatísticas duvidosas da Covid-19, mas fica em silêncio sobre os cheques de Queiroz

Por Matheus Leitão - Atualizado em 28 ago 2020, 14h09 - Publicado em 10 ago 2020, 18h13

O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar, desta vez com críticas a uma rede de TV – que ele não dá o nome – e que, segundo ele, teria “comemorado” como “uma verdadeira Copa do Mundo” a chegada ao trágico número de 100 mil mortos na pandemia. Isso evidentemente não ocorreu em nenhuma emissora do país.

Neste fim de semana, o chefe do governo sustentou que poderia ser aplicada no Brasil uma estatística que, de acordo com ele, teria sido feita para o Reino Unido. “Concluiu-se que o lockdown matou 2 pessoas para cada 3. No Brasil, mesmo sem dados oficiais, os números não seriam muito diferentes”. Além disso, há as costumeiras postagens dele em defesa da cloroquina, medicamento sem comprovação científica contra a Covid-19.

Ou seja, ele continua falando coisas sem sentido, divulgando dados sem comprovação, assim como as repetidas imprecisões. No Brasil, houve muito pouco “lockdown”, se comparado com outros países. A propaganda mais populista também tem abrigo em suas redes sociais. Nela, o auxílio emergencial é apresentado como uma ajuda dele, Bolsonaro, às pessoas.

O mutismo do presidente é seletivo. Ele nada disse sobre a informação de que 27 cheques de Fabrício Queiroz, ex-chefe de gabinete de Flávio Bolsonaro, foram depositados na conta da primeira-dama Michele Bolsonaro, como revelou a Crusoé. Para piorar, ainda tem cheques da Márcia, mulher do Queiroz, na conta da primeira-dama. Há outras dúvidas pairando sobre a vida bancária da família. Além dos pagamentos que fez nas contas de Flávio, Queiroz depositou cheques na conta da mulher do senador. É uma espécie de depositador geral de cheques.

A versão de que o pagamento para Michele Bolsonaro era de um empréstimo concedido por ele, Bolsonaro, a Queiroz… não se sustentou. Não há comprovação de que ele teria emprestado algo ao ex-faz-tudo da família. Agora que a quantia subiu a quase R$ 90 mil – na soma dos cheques de Queiroz e de Márcia na conta de Michele Bolsonaro – a explicação fica ainda mais necessária. Sobre esse delicado tema, permanece no estilo silencioso, na expectativa de que, assim, o assunto desapareça. Essa estratégia de “nada a declarar” por parte do presidente vai ficando mais ineficaz a cada evolução da investigação sobre o elo financeiro entre as famílias Queiroz e Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade