Clique e assine a partir de 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Nossos mortos lotam o Maracanã

O Brasil procura medidas para dar a dimensão da tragédia que, em menos de quatro meses, ceifou mais de 70 mil vidas

Por Matheus Leitão - Atualizado em 11 jul 2020, 11h07 - Publicado em 11 jul 2020, 10h03

Você já foi ao Maracanã? Eu já fui muitas vezes. Ele merece a aura que o cerca desde a sua inauguração há 70 anos. Como meu coração pertence ao time com a maior torcida do mundo, já presenciei muitas vezes os meus iguais se levantarem em alegria, ao mesmo tempo, para comemorar um gol, uma vitória. E senti pelo estádio inteiro, ou quase todo, a força do mesmo grito. Ja ouvi também pesados silêncios.

Com a última reforma, cabem pouco mais de 70 mil pessoas no estádio. O Brasil vem contando seus mortos desde o dia 17 de março. Oficialmente, amanheceu neste sábado, 11 de julho, com 70.524 vidas perdidas para a Covid-19. O jornalismo tem procurado comparações, mas está ficando sem medidas para dar a dimensão da tragédia. 

Quando as mortes chegaram a 200 por dia, alguém disse que era como se fosse um avião caindo diariamente. Agora, são cinco aviões por dia. Quando as mortes ultrapassaram o trágico número de 61 mil, o jornal Estado de Minas comparou com o Mineirão lotado. 

Se no começo de março, todos os que perdemos nesses quatro meses entrassem no estádio Mário Filho, eles lotariam seus lugares disponíveis.  Frequentador assíduo do Maracanã, tento imaginar o estádio inteiro de vidas perdidas. É uma tragédia sem tamanho. E não sabemos ainda quantas vítimas serão ao fim desse doloroso tempo.

Publicidade