Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Não colou, Bolsonaro

Voto impresso, que o presidente tenta empurrar goela abaixo dos brasileiros, é rejeitado pela maioria da população

Por Matheus Leitão 4 jan 2021, 10h20

O presidente Jair Bolsonaro deve ter acordado neste domingo, 3, com um terrível mau humor. O voto impresso, aquele que ele tenta empurrar goela abaixo nos brasileiros, é desejado por apenas 23% da população. Ou seja, a tentativa dele de desacreditar o sistema eleitoral não ultrapassou o seu núcleo radical de apoiadores.

De acordo com pesquisa Datafolha, 73% dos brasileiros acreditam que o sistema de voto em urna eletrônica deve ser mantido no país. Traduzindo, para ficar bem explicado para você: três em cada quatro brasileiros apoiam o sistema. Enquanto esses 23% afirmaram que querem o voto impresso, 4% não souberam responder.

O presidente já fez muitas críticas ao sistema eleitoral, a última delas há 13 dias ao dizer o seguinte a um apoiador: “se não tiver voto impresso, pode esquecer a eleição” de 2022. Em março deste ano, contudo, Bolsonaro fez sua declaração mais absurda sobre a urna eletrônica. “Quero que você me ache um brasileiro que confie no sistema eleitoral”.

A análise do Datafolha encontrou. Vários, aliás. Se o número de brasileiros aptos a votar em 2020 era o de 147 milhões, uma regra de três simples mostra que o instituto chegou, por amostragem, ao número aproximado de 107 milhões que confiam no sistema eleitoral brasileiro.

Para Bolsonaro, isso é uma tragédia. É claro, ou ao menos fica cada vez mais claro, que o presidente usa determinados discursos como “vacina”, a mesma vacina que ele tanto nega aos brasileiros na maior pandemia dos últimos cem anos. Bolsonaro quer ter uma narrativa caso perca as próximas eleições, porque ninguém em sã consciência acredita hoje que ele vá admitir uma derrota. A ideia é seguir a linha de Donald Trump e alegar fraude.

O político usa o mesmo expediente ao desacreditar a imprensa. Cada vez que o presidente critica determinados veículos ou determinados jornalistas ele quer criar uma “vacina” entre seus eleitores para quando for alvo de denúncias ou de críticas. Mas, mais importante do que notar as estratégias manjadas do presidente, é perceber sua capacidade de influência. 

Se Bolsonaro não consegue ultrapassar a barreira dos 20% – porcentagem da população que se mostrou de extrema-direita no Brasil em 2018 – quando o assunto é o voto impresso, talvez haja esperança de que outras de suas ideias insanas fiquem pelo caminho até 2022.

Continua após a publicidade
Publicidade