Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

MPF aguarda há 85 dias decisão sobre afastamento do ministro Salles

Nesta segunda, 28, os procuradores que apresentaram ação contra Salles em 6 de julho entraram com recurso no TRF-1 pedindo a análise imediata do caso

Por Matheus Leitão - Atualizado em 30 set 2020, 13h10 - Publicado em 29 set 2020, 08h06

Em meio aos recordes de desmatamento na Amazônia e no Pantanal e com um governo que nega responsabilidade na destruição ambiental, o Ministério Público Federal (MPF) aguarda há 85 dias uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) a respeito de pedido de afastamento cautelar de Ricardo Salles da chefia do Ministério do Meio Ambiente.

Nesta segunda, 28, os procuradores que apresentaram ação contra Salles em 6 de julho entraram com recurso no TRF-1 pedindo a análise imediata do afastamento alegando que a permanência do ministro pode causar efeitos irreversíveis ao meio ambiente.

No dia 6 de julho, o MPF apresentou ação por improbidade administrativa e pediu o afastamento de Salles do comando do Ministério. Segundo o MPF, o ministro realizou ações e discursos que promovem a desestruturação de políticas ambientais e, por isso, deve responder por improbidade administrativa.

Desde a data de apresentação da ação, um conflito sobre a competência para julgar o caso está atrasando o processo, mas, segundo o MPF, a discussão sobre competência não suspende o a ação e não deve impedir a análise do pedido de afastamento cautelar, que é urgente.

Ao pedir novamente a análise do afastamento, os procuradores do MPF afirmam que a solicitação se dá “em razão da prática reiterada de atos de desmonte das estruturas de Estado de proteção ao meio ambiente” pelo ministro Ricardo Salles.

ASSINE VEJA

A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
Clique e Assine

O MPF mostra dados sobre o desmatamento da Floresta Amazônica e destaca que os efeitos da permanência do ministro podem ser irreversíveis. “A desregulamentação de medidas proibitivas, a desmobilização de servidores e o desmonte da fiscalização consistem em frentes permanentes de fragilização dos órgãos ambientais federais. Em muitos casos, os efeitos podem se tornar irreversíveis”.

É que nesta segunda, 28, sob seu comando, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) aprovou a revogação de resoluções que protegiam as faixas litorâneas dos manguezais e restingas, além dos reservatórios de águas do entorno.

Continua após a publicidade
Publicidade