Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Em ano eleitoral, FNDE é “menina dos olhos” dos estados e municípios

Educadora avalia que, após a aproximação do governo Bolsonaro com o Centrão, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação pode ser usado nas campanhas

Por Matheus Leitão - Atualizado em 20 Maio 2020, 08h01 - Publicado em 20 Maio 2020, 07h51

A presidente-executiva da ONG Todos pela Educação, Priscila Cruz, conversou com a coluna sobre a negociação da diretoria do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) com partidos do Centrão. Na avaliação dela, o fundo bilionário pode ser um auxílio para nutrir estados e municípios, que já estão com suas contas prejudicadas devido à pandemia do coronavírus, em ano de eleições municipais.

“A gente vai ter uma queda nas receitas dos estados e municípios gigantesca e aí o FNDE vai ser ainda mais a menina dos olhos. Ele pode ser uma moeda de troca para as barganhas locais para irrigar campanhas”, destacou Priscila Cruz.

Para a especialista, a negociação do FNDE com o Centrão não é pelo cargo, mas uma sinalização de que o fundo será usado como barganha política. Priscila Cruz se refere à presidência da instituição, que já está em negociação com o senador Ciro Nogueira, do PP, partido mais investigado pela Operação Lava Jato.

“O FNDE é sempre a menina dos olhos de qualquer partido e de qualquer bloco que tem más intenções. Com certeza, o novo presidente do FNDE, se for indicação do Centrão, não vai entrar por conta do salário, não é pelo emprego. É barganha, para irrigar campanha”.

Na segunda-feira, 18, o governo nomeou o advogado Garigham Amarante Pinto para o cargo de diretor de Ações Educacionais do FNDE. Garigham foi indicado pelo PL e pelo presidente do partido, Valdemar da Costa Neto, condenado no julgamento do mensalão.

Continua após a publicidade

Em relação ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, Priscila aponta que se o FNDE for entregue ao Centrão, a situação na área educacional, que já é ruim com a gestão, ficará ainda pior.

“A gestão dele é desastrosa, é um vexame para qualquer um que entende minimamente de política pública e de política pública educacional. […] A gente tem uma situação horrorosa, eu nunca vi nada nem perto do que a gente está vivendo hoje e com a entrega do Fundo para o Centrão isso tende a piorar”, afirma a especialista.

De acordo com a educadora, informações repassadas pela atual gestão apontam que Weintraub estaria resistindo à entrega do FNDE. Se essas especulações se confirmarem e se o ministro conseguir impedir isso, o cenário ficará melhor.

“Ele pelo menos sinalizou um incômodo de entregar pro Centrão o cofre do dinheiro da educação federal. Se ele não conseguir segurar, vai ser desastre completo, pior do que a gente já tem”.

Siga a coluna no Twitter, no Instagram e no Facebook 

Continua após a publicidade
Publicidade