Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Cai a Direção do Arquivo Nacional do governo Bolsonaro 

Fato ocorre 20 dias após denúncia de VEJA sobre a tentativa de esconder trabalhos da ditadura

Por Matheus Leitão Atualizado em 27 out 2021, 20h21 - Publicado em 27 out 2021, 20h17

A direção do Arquivo Nacional caiu. A diretora Neide de Sordi anunciou o fato em reunião desta quarta-feira, 27,  do Conarq, o Conselho Nacional de Arquivos. O órgão colegiado é vinculado ao Arquivo Nacional do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“Eu também quero fazer uma comunicação. Essa é a minha última reunião do colegiado. Estou saindo da direção do Arquivo Nacional e do Conarq e eu quero agradecer a todos vocês, o acolhimento a colaboração e o processo que nos fez chegar até aqui”, afirmou.

Neide de Sordi
Neide de Sordi Redes Sociais/Reprodução

Como a coluna revelou há 20 dias, a conduta do governo de Jair Bolsonaro de tentar esconder os fatos ocorridos durante a ditadura militar ganhava um novo capítulo.

Três escritores que venceram o prêmio Memórias Reveladas do Arquivo Nacional em 2017, com trabalhos sobre o período da ditadura, tentam até hoje ter suas obras publicadas pelo Arquivo Nacional.

Em carta escrita a esta coluna, Lucas Pedretti, Marco Pestana e Pedro Teixeirense denunciam a omissão do Arquivo Nacional em cumprir o edital da premiação de 2017 com a publicação dos trabalhos que venceram o projeto.

Segundo eles, a omissão do órgão tem a ver com o contexto de “franco enfraquecimento e desmonte” do prêmio Memórias Reveladas. Entenda a denúncia aqui.

De acordo com um integrante do Conselho do Arquivo Nacional, que conversou com a coluna sob a condição do anonimato, os funcionários de carreira pressionaram a direção do órgão após a reportagem.

Continua após a publicidade

Publicidade