Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Bolsonaro faz escola e Twitter vira ringue

Rede social tem sido cada vez mais palco de embates entre autoridades, e acaba sendo menos usada para estabelecer diálogos 

Por Matheus Leitão Atualizado em 12 mar 2021, 15h25 - Publicado em 12 mar 2021, 14h55

Em tempos de redes sociais, o Twitter vem sendo cada vez menos usado como um espaço para diálogos entre autoridades, e cada vez mais para troca de acusações entre figuras públicas, como a família presidencial faz como método costumeiro. Jair Bolsonaro e sua prole constantemente ofendem aqueles que consideram adversários, entre políticos, influenciadores e jornalistas.

Nesta semana, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), que costuma primar pelo diálogo, respondeu firme, mas com classe, ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). “O senador Flávio eu até respondo, com você, nem vou perder meu tempo”, disse Maia, se referindo a um tuíte no qual o filho do presidente chama ele e Lula de “farinha do mesmo saco”.

Depois, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), usou a rede social para carimbar o chanceler Ernesto Araújo de propagador de fake news – algo que sabemos ser verdade, mas que gera desconforto entre integrantes do governo.

Enquanto o ministro das Relações Exteriores dizia que a CNN internacional entendia tudo errado sobre a pandemia no Brasil, e que o presidente não tinha poderes para gerir medidas restritivas, Mendes o corrigiu mostrando a verdadeira amplitude de uma decisão da corte sobre o tema. “Todos os níveis de governo são responsáveis pelo desastre que enfrentamos”, afirmou Gilmar.

Nesta mesma semana, o governador do Rio de Janeiro, Claudio Castro, não assinou a carta dos governadores pela vida e João Dória, governador de São Paulo, reclamou sobre isso educadamente. Castro foi para o Twitter, em um tom desaforado, dizer que “do Rio cuido eu”.

Mas o mais inacreditável nos últimos dias é que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, Eduardo, usaram o Twitter de forma perigosa para desrespeitar mais uma vez a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Eles também exploraram politicamente uma tragédia pessoal para justificar o não lockdown, fazendo tudo o que médicos e a OMS recomendam que não se faça.

Continua após a publicidade
Publicidade