Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Anvisa “diz não” a Eduardo Bolsonaro respondendo à altura sobre máscara

Deputado pede para a imprensa enfiar protetores naquele lugar, e agência arrocha o uso em aeroportos e aeronaves 

Por Matheus Leitão Atualizado em 12 mar 2021, 10h55 - Publicado em 11 mar 2021, 22h18

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) respondeu à altura o pedido do deputado Eduardo Bolsonaro, filho Zero Três do presidente da República. Não só não enfiou a máscara naquele lugar, mas endureceu nesta quinta-feira, 11,  a regulamentação relacionada a quais máscaras devem ser utilizadas nos aeroportos e aeronaves durante a pandemia.

Manteve a obrigação do uso delas em aeroportos, aeronaves, mas com uma postura mais rígida – agora não são permitidos protetores faciais como lenços, bandanas, protetores de acrílico, máscaras com válvula ou de tecido com uma só camada.

Oficialmente, a agência informou que as mudanças foram necessárias para fazer frente à circulação de novas variantes mais agressivas do vírus. A ideia é tirar de circulação aquelas máscaras ineficazes contra o coronavírus. Internamente, contudo, funcionários da autarquia federal garantem que o timing não é por acaso, mas uma resposta a Eduardo.  

Leia também:

  • Decisão desastrada de Fachin muda jogo político e reforça polarização.
  • Mesmo com concessões, governo vê PEC Emergencial como ganho institucional.
  • Vacinação: no pior momento da pandemia, principais autoridades do país ensaiam reação.
Continua após a publicidade
Publicidade