Clique e assine com até 92% de desconto
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Tatto terá o pior desempenho da história do PT na cidade de São Paulo

Desde a primeira eleição após a redemocratização do país, em 1988, o partido sempre ficou ao menos em segundo lugar; petista briga pelo 4º lugar, diz Ibope

Por Da Redação 15 nov 2020, 18h03

Se os dados apontados na pesquisa de boca-de-urna do Ibope em São Paulo forem confirmados pelas urnas, Jilmar Tatto terá tido o pior desempenho de um candidato do PT desde a redemocratização do país. De acordo com o instituto, ele tem 8% dos votos válidos e está empatado na quarta posição com Celso Russomanno (Republicanos) e Arthur do Val (Patriota) e atrás de Márcio França, do PSB (13%), Guilherme Boulos, do PSOL (25%), e Bruno Covas, do PSDB (33%).

Desde 1988, quando Luiza Erundina surpreendeu e derrotou Paulo Maluf (PDS), o PT sempre esteve em primeiro ou segundo lugar na eleição para a prefeitura de São Paulo.

Em 1992, Eduardo Suplicy perdeu para Paulo Maluf, mas chegou na segunda posição. Quatro anos depois, Erundina foi derrotada por Celso Pitta (PPB), o candidato malufista, mas só no segundo turno. Em 2000, também no segundo turno, Marta Suplicy deu o troco e derrotou Maluf.

Marta, no entanto, seria derrotada nas duas tentativas seguidas de voltar à prefeitura. Em 2004, perdeu para José Serra (PSDB) no segundo turno, mesma etapa da disputa em que foi derrotada por Gilberto Kassab (PFL) em 2008.

Fernando Haddad foi o protagonista nas eleições de 2012 e 2016. Na primeira, derrotou José Serra no segundo turno. Na segunda, João Doria (PSDB) foi eleito já no primeiro turno, mas Haddad ao menos ficou na segunda posição.

A candidatura de Tatto chegou a ser questionada por filiados ao partido, que gostariam que o PT abrisse mão da candidatura e apoiasse Guilherme Boulos (PSOL), que deve ir ao segundo turno e ter, agora sim, o apoio do candidato petista e do petismo.

Continua após a publicidade
Publicidade