Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sobe para oito o número de capitais com vacinação suspensa

Vitória, Florianópolis, Maceió, Belém, Salvador, Campo Grande e João Pessoa e Rio de Janeiro encontram-se com as campanhas paralisadas

Por Camila Nascimento 26 jul 2021, 10h47

Nas últimas semanas, o governo federal tem se mostrado bastante seguro com a continuidade do plano nacional de imunização em ritmo acelerado, a ponto de o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, descartar o contrato com o fármaco da indiana Covaxin, alvo de investigação na CPI da Pandemia. A realidade, no entanto, ainda é preocupante. Mais três capitais iniciam a semana com a vacinação da primeira dose contra a Covid-19 suspensa por falta de vacinas: Vitória, Florianópolis e Maceió. Antes disso, Rio de Janeiro, Belém, Campo Grande, Salvador e João Pessoa já haviam anunciado paralisação. Com isso, um total de oito capitais estão com vacinação suspensa.

A aplicação da primeira dose encontra-se parada no Rio de Janeiro desde de sexta, 23. No sábado, uma repescagem para pessoas de 35 anos estava prevista no calendário de vacinação. Hoje, dia 26, seria a vez de mulheres com 34 anos. O prefeito da cidade, Eduardo Paes (PSD), ironizou o “senso de urgência” do Ministério da Saúde na entrega de doses. Segundo ele, a maior parte dos imunizantes será entregue pela pasta somente na próxima quarta, 28, quando as capitais devem voltar a aplicar doses.

Belém é uma das capitais mais atrasadas. Com 967.937 doses aplicadas, a cidade ainda está vacinando pessoas entre 59 e 66 anos. Só recebe a segunda dose na capital paraense quem tiver comorbidades. No Mato Grosso do Sul, após, um dia sem vacinação, Campo Grande abriu os postos de saúde para o público completar a imunização nesta segunda, 26.

Salvador, Vitória, Maceió e João Pessoa seguem administrando a segunda dose, enquanto esperam mais remessas para expandir o público-alvo. Em Florianópolis, só grávidas, lactantes e puérperas recebem a primeira dose.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade