Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Silvio Santos, Ratinho, evangélicos: a saga de Temer pela reforma

Com deputados em recesso, presidente grava entrevistas para programas populares de TV e se encontra com bispos para pedir apoio às mudanças na Previdência

Por Da Redação Atualizado em 16 jan 2018, 21h10 - Publicado em 16 jan 2018, 21h09

O esforço do presidente Michel Temer (MDB) para aprovar a reforma da Previdência continua a todo vapor, apesar do recesso da Câmara dos Deputados, onde o governo precisa de 308 votos para fazer passar a proposta, tida como fundamental para o equilíbrio fiscal do país.

Nesta terça-feira, ele recebeu o apresentador Amaury Jr. no Palácio da Alvorada para conceder uma entrevista, que deverá ir ao ar no dia 27 na TV Bandeirantes. Na quinta-feira, ele irá a São Paulo para gravar sobre o tema nos programas de Silvio Santos e do Ratinho, ambos do SBT.

Além de ir a programas populares na TV para defender a proposta, ele também tem feito uma ofensiva junto ao público evangélico, por meio de seus líderes. Na segunda-feira, ele recebeu no Palácio do Planalto o apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Reino de Deus. Nesta terça-feira, se encontrou no mesmo local com o pastor José Wellington, presidente da Igreja Assembleia de Deus, em São Paulo.

  • Em meio a tudo isso, ele tem de continuar tentando convencer os deputados. Nesta terça-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), um aliado do governo, disse em encontro na Câmara de Comércio dos Estados Unidos que trata a reforma da Previdência como prioridade, “mas sem nenhum tipo de otimismo”.

    Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo e articulador político de Temer no Congresso, disse que o ânimo de Maia ainda vai melhorar.  “O presidente Rodrigo, um dos baluartes desse processo, talvez, nesses dias que se ausentou do país, não esteja com as informações suficientes que nós temos”, avaliou.

    Continua após a publicidade
    Publicidade