Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Santos antecipa decreto de Doria e fecha todas as praias no sábado

Cidade vai 'trancar' as praias para baixar a taxa de ocupação hospitalar, que saltou de 60% para 68% em menos de uma semana

Por Tatiana Farah Atualizado em 12 mar 2021, 09h00 - Publicado em 11 mar 2021, 18h07

O prefeito de Santos (SP), Rogério Santos (PSDB), vai anunciar nesta quinta-feira, 11, que todas as praias da cidade serão fechadas ao público, a partir de sábado, por duas semanas. Santos se antecipa ao decreto do governador João Doria (PSDB) que determinou mais restrições no isolamento social para o enfrentamento da pandemia em todo o estado de São Paulo. Segundo o governador, a partir de segunda-feira, 15, ficam suspensas por duas semanas as atividades em parques, cultos religiosos e jogos de futebol. Foi determinado um toque de recolher das 20h às 5h, e o fechamento de mais setores do comércio por duas semanas.

Rogério Santos antecipou as medidas de segurança sanitária porque a cidade, que já vacinou mais de 12% de sua população, estava em uma posição mais confortável em relação à ocupação de leitos de Covid-19, em torno de 60% no início da semana, mas sofreu um revés. Com o crescimento da pandemia, essa taxa subiu para 68% nesta quinta-feira. Alguns hospitais estão com 100% de lotação na UTI, o que preocupou as autoridades médicas.

  • Os prefeitos da região da Baixada Santista também se reuniram hoje para traçar estratégias conjuntas de isolamento. Eles devem reivindicar do governo do estado o aumento do efetivo policial para reforçar o fechamento das praias. Outro ponto acertado foi ampliação das barreiras sanitárias. Santos já havia imposto restrições nas praias, como o uso de guarda-sol e a aglomeração.

    Tanto o decreto de Doria quanto o de Santos têm validade até o final do mês.

    Leia também:

    • Decisão desastrada de Fachin muda jogo político e reforça polarização.
    • Mesmo com concessões, governo vê PEC Emergencial como ganho institucional.
    • Vacinação: no pior momento da pandemia, principais autoridades do país ensaiam reação.
    • Economia do Brasil segue travado por incerteza do futuro.

     

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade