Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Roberto Carlos, Ana Carolina, Lulu Santos: a estrelada lista de shows bancados por desvios da Lei Rouanet

A segunda fase da Operação Boca Livre, deflagrada nesta quinta-feira, mira patrocinadoras de eventos que, aliadas à notoriamente encrencada Bellini Cultural, saquearam dinheiro da Lei Rouanet. Entre os 29 alvos da operação de hoje, a Boca Livre S/A, estão o banco Bradesco, as montadoras Volkswagen e Volvo, além da Arno e da Perdigão. Segundo a […]

O cantor Roberto Carlos

A segunda fase da Operação Boca Livre, deflagrada nesta quinta-feira, mira patrocinadoras de eventos que, aliadas à notoriamente encrencada Bellini Cultural, saquearam dinheiro da Lei Rouanet. Entre os 29 alvos da operação de hoje, a Boca Livre S/A, estão o banco Bradesco, as montadoras Volkswagen e Volvo, além da Arno e da Perdigão. Segundo a Polícia Federal, estas empresas destinaram recursos incentivados pela lei para bancar convescotes, sempre restritos a seus convidados. Os desvios, segundo a investigação, podem chegar a 25 milhões de reais.

Entre os animadores da boca livre nestas “festas da firma” listados pela PF estão nada mais nada menos que nomes ilustres e consagrados da música brasileira, como Roberto Carlos, Toquinho, Ana Carolina, Zizi Possi, Lulu Santos, João Bosco, Ed Motta, Adriana Calcanhoto e o maestro João Carlos Martins, entre outros. Não há, contudo, indícios de que os cantores soubessem da origem ilícita do dinheiro que receberam.

Por meio de nota, o cantor Roberto Carlos afirmou que o show citado na investigação foi contratado segundo os trâmites normais da rotina de seu escritório. “Em nenhum momento se cogitou ser um projeto patrocinado por lei, inclusive não cabe à produção do artista questionar a origem da verba utilizada para a contratação de shows”, diz o texto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Yndiara Lampros

    Concordo com o Vaqueirodoasfalto. Os artistas foram contratados. Nenhum contratado pergunta de onde vem o dinheiro. Eles foram pagos para cantar. Quem tem que responder por isso são as empresas que se utilizaram da maracutaia.

    Curtir

  2. Comentado por:

    massa

    não é atoa que se chama operação boca livre. boquinha livre para os cantores.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Rocha

    Isso tudo aconteceu porque algumas pessoas dentro do Minc levaram alguns “por debaixo dos panos”para fechar os olhos e não fiscalizar.
    Vai aparecer mais artistas milionários nessa jogada.VERGONHA!!!!!!!! ARTISTAS PETRALHAS!!!!!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Geraldo Moreira

    Aos poucos com Mensalão, Petrolão, Metro de São Paulo, Cade, e agora Lei Rouanet vemos a qualidade do empresariado brasileiro e mais vemos essas muitas empresas “num lance de puro marketing” tentar associar seus nomes e suas marcas ao “politicamente correto” : ecologia, meio ambiente, assistencia social, educação etc etc etc . Triste.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Paulo Gastaldo

    Acho importantíssimo que se defina exatamente qual o conhecimento que cada artista tinha dos mecanismos utilizados para captação dos valores utilizados no pagamento dos seus cachês. Não me parece justo acusar como corrupto, um profissional que participa de um show contratado por uma empresa conceituada, se não lhe foi informada a origem ilícita dos recursos lançados em sua conta.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Roberto

    Concordo que os artistas são apenas contratados mas é incontestável que foram beneficiados com dinheiro oriundo de renúncia fiscal conforme prevê a Lei Rouanet.
    Muitos se esquecem que através da renúncia fiscal, o governo está abrindo mão de um imposto que deveria favorecer a sociedade para favorecer a classe artística. Por isso, a lei prevê que os “shows” patrocinados com essa renúncia fiscal devam ser públicos.
    E o pior, quando o governo procede assim a carga tributária recai SOBRE OS DEMAIS PAGADORES DE IMPOSTOS. OU SEJA, NÓS, OS CONTRIBUINTES.
    Utilizar o dinheiro dessa renúncia fiscal para pagamento de eventos particulares é, no mínimo,imoral.
    As celebridades deveriam, pelo menos, se preocupar em saber(através de seus empresários e advogados) qual é o público para o qual irão se apresentar antes de celebrar um contrato envolvendo a Lei Rouanet.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Francisco

    Assim o pais nao aguenta mesmo. Pagamos os impostos mais caros do mundo, sem retorno para o cidadao otario.
    Temos de pagar seguranca privada, plano de saude privado, pedagios carissimos (se comparado com o primeiro mundo), gasolina batizada mais cara do mundo,etc…
    tudo isso pra sustentar juizes medievais, artitas velhos e espertos, politicos medievais, servico publico pessimo,…

    Curtir

  8. Comentado por:

    Elias

    O importante é que emoções eu viviiiiiii…

    Curtir

  9. Comentado por:

    Elias

    Começo a me preocupar com o futuro de Moro e Cia…..

    Curtir

  10. Comentado por:

    dalmir zanetti de mendonca

    Gente burra e maldosa cada dia aparece mais. Não sabem ler não emitam opiniões. Em nenhum momento foi dito que os artistas fizeram algo errado e sim que foram pagos com dinheiro supostamente desviados para suas apresentações. Quanto a fazer campanha, cada um faz aquilo que achar melhor, pois vejo gente vendendo picolé de chuchu e tem gente, especialmente em São Paulo que compra.

    Curtir