Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pesquisa: maioria da população aprova a prisão de Daniel Silveira pelo STF

Resultado, no entanto, foi apertado: 49,9% acham que Alexandre de Moraes agiu certo enquanto 42,1% dizem que não; decisão foi ratificada pela Câmara

Por Da Redação Atualizado em 22 fev 2021, 19h49 - Publicado em 22 fev 2021, 13h13

A maioria da população brasileira aprova, mas com margem bastante apertada, a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), determinada pelo ministro Alexandre de Moraes e referendada pelos outros dez ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), depois que o parlamentar gravou um vídeo com acusações aos membros da Corte e com chamamentos à ruptura institucional no país.

Segundo levantamento feito pelo instituto Paraná Pesquisas, 49,9% acham que Alexandre de Moraes agiu certo, enquanto 42,1% consideram que ele agiu errado – outros 8% afirmaram que não sabem ou não quiseram opinar. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi feita entre os dias 17 e 18 de fevereiro,em todos os estados e no Distrito Federal.

A prisão de Silveira, ocorrida na noite de terça-feira, 16, foi referendada não só pelos ministros do STF – na sexta-feira, 19, a Câmara ratificou a condenação por ampla maioria: 346 votos a 130. Reportagem publicada na edição desta semana de VEJA mostra que as decisões do STF e do Parlamento em relação ao caso sinalizam o fim da tolerância com o radicalismo que ameaça a democracia.

  • No levantamento do Paraná Pesquisas os maiores apoios à prisão por faixa etária vieram, paradoxalmente, dos mais velhos (55,8% entre quem tem 60 anos ou mais) e dos mais jovens (54,9% entre quem tem entre 18 e 24 anos).

    As taxas de apoio também foram maiores entre as mulheres (52,7%), moradores da Região Sul (52,6%) e entre quem tem curso superior (54,6%).

    Continua após a publicidade
    Publicidade