Clique e assine com até 92% de desconto
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os preferidos do capitão: quem Bolsonaro mais curte nas redes sociais

Pré-candidatos são praticamente ignorados por ele no Twitter; depois de seu próprio perfil, três ministros estão no 'top 10' de curtidas do presidente

Por Daniel Haidar Atualizado em 17 set 2020, 20h44 - Publicado em 17 set 2020, 20h11

A autoestima do presidente Jair Bolsonaro está elevada nas redes sociais. Ao analisar a interação do capitão no Twitter em um ano de campanha eleitoral, fica claro o seu distanciamento, por ora, das eleições e a preferência em curtir as suas próprias postagens ou que falem de seu governo. Só neste ano Bolsonaro já curtiu 249 vezes os seus próprios posts, de acordo com levantamento da consultoria Arquimedes feito a pedido de VEJA. A análise considera o período de 1º de janeiro a 10 de setembro.

No ranking de curtidas, só existe um tipo de comentário em que o presidente concede mais “likes” do que nos seus próprios: aqueles feitos por perfis oficiais de ministérios, aliados e apoiadores que fazem afirmações elogiosas de seus atos e divulgam iniciativas governamentais. Só da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência  da República) o presidente curtiu 33 posts (veja quadro abaixo).

A autopromoção agrada o presidente também quando parte de seus assessores. Aparecem três ministros de governo entre os dez usuários do Twitter mais curtidos neste ano por Bolsonaro. São eles: Tarcísio Freitas (Infraestrutura, com 17 curtidas), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional, com 9 curtidas) e Fábio Faria (Comunicações, com 7 curtidas). No “Top 10” aparece ainda Arthur Weintraub (6 curtidas), assessor especial da Presidência da República e irmão do ex-ministro Abraham Weintraub (Educação).

“Ao longo do ano, tanto o ministro Tarcísio como o ministro Marinho vêm aparecendo com frequência nas nossas análises em posições próximas do presidente Bolsonaro. No momento, eles representam bem as ideias do núcleo duro do governo”, avalia Pedro Bruzzi, sócio da consultoria Arquimedes.

Enquanto seu próprio exercício do poder merece tanto apreço virtual, o presidente não parece preocupado em demonstrar preocupação por quem busca o poder nas eleições deste ano. Entre os pré-candidatos a prefeito, a única exceção ocorreu com a psicóloga Marisa Lobo, pré-candidata à Prefeitura de Curitiba pelo Avante, que ganhou três curtidas de Bolsonaro neste ano, quando criticou a TV Globo e quando defendeu o presidente.

Outro caso excepcional ocorreu com o cabo Junio Amaral,  deputado federal do PSL que é pré-candidato a prefeito de Contagem (MG): ele ganhou um “like” quando criticou um protesto em Belo Horizonte. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho Zero Três do presidente, garantiu que o pai não apoiará prefeitáveis, em um cálculo de não correr riscos com alianças que não lhe tragam vantagens.

 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade