Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A expertise de Moraes em crimes cibernéticos: do hacker às fake news

Antes de chegar ao Supremo, ministro ganhou a confiança de Temer ao capturar um criminoso que havia invadido o celular da ex-primeira-dama

Por Eduardo Gonçalves Atualizado em 28 Maio 2020, 14h38 - Publicado em 28 Maio 2020, 13h37

Em 2016, ano da votação do impeachment de Dilma Rousseff, o então secretario de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, conduziu uma investigação para identificar e punir um hacker, que estava chantageando o então vice-presidente, Michel Temer, com mensagens do celular de sua esposa, Marcela. Contando com uma equipe especializada da Polícia Civil de São Paulo, a operação foi concluída com discrição e eficiência: o hacker foi preso e condenado a cinco anos de prisão. E Moraes ganhou a confiança de Temer, que assumiu a Presidência da República e o indicou para o Ministério da Justiça e depois para o Supremo Tribunal Federal.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

Agora, como ministro do Supremo, Moraes conta novamente com uma equipe especializada – formada inicialmente pelos delegados da Polícia Federal Igor Romário de Paula e Alberto Ferreira Neto e um delegado da Polícia Civil de São Paulo, Maurício Martins da Silva – para apurar as denúncias sobre uma suposta rede de fake news financiada por empresários bolsonaristas. Igor Romário foi coordenador da Operação Lava Jato em Curitiba; Ferreira Neto é da divisão especialista em crimes fazendários, e Maurício Martins pertence ao departamento de inteligência da polícia paulista. Em abril, Moraes baixou uma decisão para blindar os delegados da PF que atuavam no inquérito, após o ex-ministro da Justiça Sergio Moro sair do cargo acusando o presidente de tentar interferir politicamente na corporação.

Em 2016, a investigação contra o hacker foi feita com engenhosidade. A polícia rastreou o local da onde vinham as mensagens e chegou ao criminoso por meio de sua mulher. Para evitar o vazamento das informações, os nomes citados nos depoimentos do criminoso foram substituídos por codinomes. Por exemplo, Marcela virou “Mike”.

  • No inquérito atual contra as fake news do STF, o ministro Moraes escreveu, em sua decisão, que a investigação já colheu provas sobre a “real possibilidade de existência de uma associação criminosa, denominada nos depoimentos dos parlamentares como ‘Gabinete do Ódio’, dedicada à disseminação de notícias falsas, ataques ofensivos a diversas pessoas, às autoridades e às Instituições, dentre elas o Supremo Tribunal Federal, com flagrante conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”. E mais coisa deve vir a partir de agora, com o material apreendido na operação deflagrada na quarta-feira, 27.

    Diferente do inquérito de 2016, no entanto, Moraes agora conta com a oposição do presidente da República, no caso Jair Bolsonaro, que saiu na ofensiva nesta quinta-feira, dizendo que basta de operações que atinjam seus apoiadores. “Mais um dia triste da nossa história, mas o povo tenha certeza de que foi o último dia triste”, disse.

    Continua após a publicidade
    Publicidade