Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O dia em que Bolsonaro rejeitou Valdemar Costa Neto, seu novo aliado

Em campanha em 2018, então pré-candidato atacou imprensa por noticiar aproximação com cacique

Por Da Redação Atualizado em 10 nov 2021, 09h51 - Publicado em 10 nov 2021, 09h37

De mudança para o PL para tentar a reeleição em 2022, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atacou em 2018, com a virulência de sempre, a imprensa por noticiar uma aproximação com a legenda do ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão a mais de 7 anos de cadeia.

“A QUE PONTO CHEGARÃO? Primeiro a imprensa mente ao publicar que estive com Waldemar [sic] da Costa na semana passada. Agora diz que aceno para corruptos e condenados. É a velha imprensa de sempre, não sabem fazer outra coisa a não ser mentir e mentir”, tuitou então pré-candidato à Presidência em maio de 2018.

Ainda às vésperas da campanha eleitoral de 2018, ao comentar uma possível aliança com a legenda, o capitão fez questão de se distanciar do cacique. “Valdemar Costa Neto já foi condenado no mensalão. Está citado… citado não… Está bastante avançado [sic] as citações dele no tocante à Lava Jato. Eu converso com o Magno Malta. Qual partido não tem gente com problema?”

O acordo para se filiar ao PL envolveu a garantia de que Bolsonaro terá “autonomia” para indicar candidatos nos estados em 2022 e os comandos das executivas estaduais — uma exigência que inviabilizou a aproximação com outras legendas (como PP, PSL e PTB) desde que naufragou a ideia de fundar um partido, o Aliança pelo Brasil.

Nesta terça-feira, 9, Bolsonaro afirmou que falta “acertar um estado ou outro” e que irá focar nos nomes para o Senado em 2022. “Vamos priorizar, da minha parte, o Senado. Não quero tudo porque o partido não é meu. Tem outra pessoa lá, que fez o acordo comigo e temos que alinhas alguns objetivos, só isso”, disse.

Continua após a publicidade

Publicidade