Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ministro da Educação quer ‘militarizar’ escola palco de massacre em Suzano

Vélez Rodríguez afirma que irá discutir com o prefeito a adoção do modelo cívico-militar, bandeira de Bolsonaro; gestão seria igual à de colégios militares

Por Da Redação - Atualizado em 22 mar 2019, 19h43 - Publicado em 22 mar 2019, 19h10

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse nesta sexta-feira, 22, por meio de um post no Twitter, que pretende adotar o modelo “cívico-militar” na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, palco de um massacre que deixou cinco estudantes e duas funcionárias mortas. Também morreram no ataque os dois autores do atentado.

Segundo ele, a decisão será tomada em uma reunião com o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), na segunda-feira 25. O ministro também informou que irá antecipar o repasse anual do PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola) para a escola.

O modelo cívico-militar foi adotado de forma oficial pelo governo de Jair Bolsonaro logo no início do mandato, por meio do decreto nº 9.465, de 2 de janeiro. O texto diz que essas escolas adotarão “como base a gestão administrativa, educacional e didático-­pedagógica adotada por colégios militares do Exército, polícias e bombeiros militares”.

Reprodução/Reprodução

Para implantar o programa, o governo criou, inclusive, pelo mesmo decreto, a Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico­-Militares.

Publicidade