Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mandetta rebate Pazuello: ‘Foi cego e surdo na missão de salvar vidas’

General disse em seu discurso de despedida que antecessores deixaram o Ministério da Saúde desorganizado e que faltava 'honestidade' e 'probidade' na pasta

Por Edoardo Ghirotto Atualizado em 26 mar 2021, 09h59 - Publicado em 24 mar 2021, 19h25

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) reagiu ao discurso de despedida que o general Eduardo Pazuello, seu sucessor, fez nesta quarta-feira, 24, aos funcionários da pasta. Pazuello declarou que os seus antecessores tinham deixado o ministério desorganizado, sem informações sobre como lidar com a pandemia de Covid-19, e que faltava “honestidade” e “probidade” nas administrações anteriores.

A VEJA, Mandetta afirmou que o militar era despreparado para o cargo e falhou na missão de proteger os brasileiros do novo coronavírus. “Pazuello não entendeu a missão que lhe foi passada. Foi cego e surdo para a missão de salvar vidas. Nulo. Ele revelou seu despreparo para o cargo. Nem o abastecimento de insumos cruciais, como remédios e oxigênio, ele conseguiu organizar. Sem visão de saúde, sem equipe e sem condições de dar conselhos ao seu sucessor. Foi uma lástima”, disse Mandetta.

Revelada com exclusividade por VEJA, a despedida de Pazuello foi marcada por críticas aos gestores anteriores e por denúncias de que políticos faziam pressões para ter acesso a verbas do ministério. O general afirmou que não gostaria de ter assumido o cargo, mas aceitou o convite porque o presidente Jair Bolsonaro teria-lhe incumbido de uma missão, um termo sagrado para os militares.

Além de Mandetta, o oncologista Nelson Teich passou pela pasta durante a gestão de Bolsonaro na pandemia de Covid-19. A reportagem procurou o ex-ministro para comentar o discurso de Pazuello, mas não obteve resposta.

Pazuello deixou o cargo diante das pressões da sociedade e de políticos por uma mudança na condução da pandemia pelo governo federal. O Brasil ultrapassou nesta quarta-feira a marca de 300.000 mortos pela Covid-19 e enfrenta um colapso do sistema de saúde em função do aumento de infecções causadas por uma variante mais transmissível do novo coronavírus. Autoridades têm alertado há dias que diversas cidades correm o risco de ficar sem insumos para tratar os doentes, como cilindros de oxigênio e medicamentos para intubar pacientes.

  • Para o lugar de Pazuello foi indicado o cardiologista Marcelo Queiroga, que é próximo à família da mulher do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o filho mais velho do presidente. Queiroga estava presente na despedida do general e o classificou como um “um sujeito de grande coração”. 

    Leia também:

    • Pesquisa mostra que brasileiro subestimou a pandemia e culpa Bolsonaro.
    • Bolsonaro marcha firme para impor agenda ideológica no ensino.
    • Em busca do tempo perdido, UE vai restringir exportações de vacinas
    • Brasil ainda perde tempo em debates sobre a falsa dicotomia entre saúde e economia.
    • Ministério da Infraestrutura: governo espera arrecadar R$ 10 bilhões com pacote de concessões.
    • STF se prepara para julgar uma ação decisiva para a quebra de patentes.
    • O futuro incerto de Sergio Moro depois da derrota no STF.
    Continua após a publicidade
    Publicidade