Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lupi é réu no DF por uso de avião pago com dinheiro de ONG

Ação foi proposta após VEJA revelar, em 2011, que entidade mantinha contrato com Ministério do Trabalho, então chefiado pelo pedetista; caso não foi julgado

Por Da Redação Atualizado em 28 ago 2018, 12h52 - Publicado em 28 ago 2018, 12h35

Diferentemente do que o candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, defendeu em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, na noite de segunda-feira, 27, o presidente nacional do seu partido, Carlos Lupi, é, sim, réu na Justiça. Ele responde a uma ação civil no Distrito Federal em razão de um caso revelado por VEJA em 2011: o uso de avião pago com dinheiro de uma ONG que tinha contratos com o Ministério do Trabalho – pasta que, à época, ele comandava no governo de Dilma Rousseff (PT). O processo, porém, ainda não foi julgado.

A ação foi apresentada em 2012 e aceita pela juíza Ivani Silva da Luz três anos depois, em 2015. O julgamento político, no entanto, foi mais rápido: a Comissão de Ética Pública da Presidência aprovou, em dezembro de 2011, uma recomendação a Dilma para que demitisse seu então ministro, considerando ainda outros fatos, como Lupi ter dito que “só saía abatido a bala”. Para evitar o constrangimento, ele pediu demissão.

VEJA mostrou que Carlos Lupi, então ministro, havia viajado em 2009 ao Maranhão na companhia de assessores, do governador do estado à época, Jackson Lago (PDT), e do empresário Adair Meira. A conta do avião particular foi paga por Meira, responsável por duas ONGs, a Fundação Pró-Cerrado e a Renapsi, que tinham contratos com valores acima de 10 milhões de reais justamente com a pasta do Trabalho comandada por Lupi.

No primeiro momento, o ministro negou que sequer conhecesse Meira, em esclarecimento ao Congresso. Depois, quando fotos e um vídeo mostraram ele saindo da aeronave do empresário em uma cidade maranhense, foi obrigado a admitir a relação, mas ele se limitou a dizer que havia viajado “de carona” e que não sabia de quem era o avião. Então assessor do ministro, Ezequiel de Souza Nascimento confirmou a VEJA que foi Meira quem pagou a conta da viagem.

As pendências judiciais do presidente do PDT foram suficientes para constranger Ciro Gomes diante dos entrevistadores William Bonner e Renata Vasconcellos, quando ele reiteradamente negou que Lupi fosse réu na Justiça — o presidenciável chegou a dizer que tem “confiança cega” no aliado. Na entrevista, de 27 minutos, ele tratou de outros temas, como a sua relação com o ex-presidente Lula (PT) e o seu projeto para a renegociação de dívidas dos brasileiros hoje cadastrados na lista negativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

  • Outro lado

    Em nota, Carlos Lupi afirmou que nunca respondeu a processos criminais nem foi investigado por corrupção. Sobre o caso, ele alegou que acionou o Ministério da Justiça “para a devida apuração dos fatos”. “Após exaustiva apuração, sequer foi instaurado inquérito criminal contra mim”, disse Lupi.

    Ele afirmou ainda que o Ministério Público Federal (MPF) abriu uma ação para apurar se seria necessário ressarcir os cofres públicos em caso de improbidade administrativa. “Não seria o caso de ressarcimento, pois não foi gerada nenhuma despesa. Mesmo cumprindo agenda oficial, não utilizei o avião da FAB, o que geraria custos”, respondeu.

    “Reforço que sou ficha limpa e não aceitarei que meu nome seja citado sem o devido esclarecimento na tentativa de me igualar a políticos sob investigações gravíssimas de corrupção e com o claro objetivo de prejudicar a candidatura de Ciro Gomes”, destacou Lupi.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade