Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lewandowski rejeita pedido para agendar sabatina de Mendonça

Para ministro do Supremo, questão deve ser resolvida internamente no Senado

Por Reynaldo Turollo Jr. Atualizado em 11 out 2021, 18h05 - Publicado em 11 out 2021, 17h36

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou nesta segunda-feira, 11, um pedido dos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Podemos-GO) para que a sabatina do ex-ministro da Justiça André Mendonça, indicado por Jair Bolsonaro para o STF, seja marcada. O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado), Davi Alcolumbre (DEM-AP), tem segurado o agendamento da sabatina há cerca de três meses.

Lewandowski afirmou em sua decisão que essa é uma questão interna do Senado e que os senadores não tinham legitimidade para fazer o pedido. “Não conheço do presente mandado de segurança, negando-lhe seguimento, à falta de direito líquido e certo dos impetrantes e, mais, por versar sobre matéria interna corporis do Congresso Nacional, insuscetível de apreciação judicial”, escreveu o ministro.

Vieira e Kajuru haviam argumentado ao Supremo que os senadores utilizaram “todos os instrumentos possíveis pelas vias institucionais” para fazer com que Alcolumbre marcasse a apreciação do nome de Mendonça na CCJ. “Em razão da ausência de êxito nas tentativas em questão, restou ao impetrante valer-se desta via judicial para que a competência do Senado Federal – e em particular da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania – possa ser fielmente cumprida, evitando prejuízos à prestação jurisdicional por parte do principal órgão judicial do país”, alegaram.

Como mostrou reportagem da edição da revista VEJA desta semana, cresceu nos últimos dias a pressão da base evangélica sobre Bolsonaro e Alcolumbre para que Mendonça, que é pastor presbiteriano, finalmente tenha o nome apreciado na CCJ. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), tem dito a lideranças evangélicas, das quais vem se aproximando, que a previsão é que a sabatina ocorra ainda neste mês. Pacheco é um nome cotado para disputar a presidência da República em 2022 e, segundo pastores, tem faturado politicamente com as articulações para destravar a indicação de Mendonça.

Neste domingo (10), Bolsonaro criticou Alcolumbre pela demora. “Está indo para três meses que está lá no forno o nome do André Mendonça. Quem não está permitindo a sabatina é o Davi Alcolumbre, uma pessoa que eu ajudei por ocasião das eleições dele [no Senado]. A indicação é minha. Se ele quer indicar alguém para o Supremo, ele se candidata a presidente ano que vem”, disse. Na semana passada, Bolsonaro participou de um simpósio com cerca de 600 pastores, em Brasília, no qual reiterou o nome de Mendonça e declarou que o Senado precisa fazer sua parte.

Continua após a publicidade
Publicidade