Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Doria vai a Brasília e Leite a Pernambuco: a campanha nas prévias tucanas

Governadores de São Paulo e do Rio Grande do Sul são os favoritos na disputa interna do partido, que só definirá o presidenciável em novembro

Por Eduardo Gonçalves 9 ago 2021, 13h34

A campanha para as eleições de 2022 já começou – pelo menos na disputa interna do PSDB. João Doria, vai a Brasília para se encontrar na quarta, 11, com a bancada tucana do Congresso Nacional – território considerado hostil devido à forte influência do principal adversário do governador de São Paulo, o deputado Aécio Neves, defensor da tese de que a sigla não tenha candidato em 2022. Já o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, deve ir a Pernambuco na sexta, 13, encontrar-se com dirigentes políticos locais – estado-chave na região Nordeste no contexto de alianças políticas para a pretensão de qualquer presidenciável. 

Na reunião na capital federal, Doria deve tentar dirimir as resistências internas ao seu nome, apresentando um plano de expansão do PSDB em 2022 – no último pleito em 2018, a bancada encolheu. Ele também deve deixar claro que a sua candidatura não atrapalhará as eleições ao Legislativo em relação à divisão do fundo partidário. O encontro de Doria com os parlamentares tucanos está sendo organizado pelo ex-ministro Antônio Imbassahy, que é o articulador do governo paulista em Brasília. 

Depois de Brasília, Doria irá no fim de semana a Curitiba e Florianópolis, onde se encontrará com o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) e o prefeito da capital, Rafael Greca (DEM), que tem preparado um evento para dar ao governador uma condecoração pelo trabalho em prol da CoronaVac.

Como ainda são governadores, tanto Doria como Leite têm priorizado as viagens nos fins de semana para evitar fazer campanha durante o expediente. No último fim de semana, Leite foi a Goiânia, onde se encontrou com os ex-governadores de Goiás Marconi Perillo e José Eliton. Na ocasião, ele voltou a dizer que se arrependeu de ter votado no presidente Jair Bolsonaro no segundo turno em 2018, mas que não quer a volta do PT ao poder. No sábado passado, Doria foi a Santos, no litoral sul de São Paulo, anunciar um investimento de 600 milhões de reais para a construção de onze empreendimentos habitacionais. 

Doria e Leite são os dois postulantes favoritos na corrida interna do PSDB, que só começa oficialmente após a inscrição marcada para o dia 20 de setembro. O senador Tasso Jereissati e o ex-senador Arthur Virgílio Neto também se declararam candidatos, mas têm se movimentado mais em seus respectivos estados, Ceará e Amazonas. Em evento promovido pela associação Comunitas, na última sexta-feira, dia 6, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (o único da sigla que conseguiu chegar ao Palácio do Planalto) confirmou o favoritismo dos dois governadores e comentou com a reportagem de VEJA que ainda não decidiu em quem vai votar nas prévias agendadas para novembro (em um evento recente, na reinauguração do Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, no entanto, FHC surpreendeu a todos declarando sua preferência por Doria). 

Continua após a publicidade

Publicidade