Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dilma aciona STF por vídeo em que Bolsonaro a compara a ‘cafetina’

Discurso de 2014, no qual o então deputado atacou a presidente e a Comissão da Verdade, foi compartilhado por Bolsonaro no Twitter no início do mês

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 29 ago 2019, 15h38 - Publicado em 29 ago 2019, 15h17

A ex-presidente Dilma Rousseff protocolou uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) na última terça-feira 27. A ação, assinada pelo advogado e ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão e outros cinco defensores, acusa Bolsonaro de ter cometido crime de injúria por ter compartilhado no Twitter, no dia 8 de agosto, um vídeo de um discurso dele de 2014, na Câmara, em que o então deputado comparou Dilma a uma “cafetina”.

A declaração foi um ataque à ex-presidente e à Comissão da Verdade, que apurou crimes contra os direitos humanos durante a ditadura militar, cujos sete integrantes foram indicados pela petista em 2012.

“Comparo a comissão da Verdade, essa que está aí, como aquela cafetina, que ao querer escrever a sua biografia, escolheu sete prostitutas. E o relatório final das prostitutas era de que a cafetina deveria ser canonizada. Essa é a comissão da verdade de Dilma Rousseff”, disse Bolsonaro na Câmara.

“Sendo assim, considerando que a publicação do vídeo na rede social Twitter, com ofensas que atingem a honra subjetiva da querelante ao compará-la a uma cafetina, que teria escolhido sete prostitutas para defendê-la, está caracterizado o crime de injúria”, alega a defesa da ex-presidente.

A queixa-crime protocolada pela defesa de Dilma foi distribuída à relatoria da ministra Rosa Weber. Conforme o artigo 86 da Constituição, o presidente da República “na vigência de seu mandato, não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções”.

Publicidade