Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Costureira de SP reivindica prêmio de R$ 162,2 milhões da Mega da Virada

Mulher faz reivindicação formal ao Procon-SP dizendo que foi à Caixa um dia antes do prazo apresentar o bilhete; banco diz que premiação perdeu validade

Por Da Redação Atualizado em 5 Maio 2021, 13h34 - Publicado em 5 Maio 2021, 13h29

Uma costureira de São Paulo se apresentou como a ganhadora do prêmio de 162,2 milhões de reais da Mega da Virada 2020, que a Caixa Econômica Federal diz não ter sido reivindicado dentro do prazo, que era de noventa dias e terminou no último dia 31 de março.

Ela apresentou uma reivindicação formal ao Procon-SP, alegando que um funcionário seu fez a aposta em uma lotérica da Bela Vista, na região central de São Paulo, e que ela foi pessoalmente a uma agência da Caixa no mesmo bairro,  em 30 de março, um dia antes do término do prazo, para apresentar o bilhete premiado.

Na alegação apresentada ao Procon-SP, ela justifica os números escolhidos: 17 (data do seu aniversário); 20 (unidade do ano corrente); 22 (exclusão dos números zeros do ano corrente); 35 (valor total da compra de refeição do dia); e 41 e 42 (número do chinelo do funcionário que foi até a lotérica fazer a aposta).

Segundo a Caixa, o prêmio foi o maior não reivindicado na história das loterias no Brasil. A premiação total foi de 325, 2 milhões de reais, dividida com outra aposta de Sergipe, que já recebeu a metade do valor.

Apesar de ter reclamado a bolada, a costureira ainda não apresentou o bilhete original. Procurada pela reportagem de VEJA, a direção do Procon-SP não quis comentar o caso por questão de sigilo.

 

Continua após a publicidade
Publicidade