Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Corpo de Sérgio Sombra é cremado

O corpo de Sérgio Gomes da Silva, acusado de encomendar a morte do prefeito Celso Daniel, foi cremado às 10h30 desta quarta-feira, no cemitério Jardim da Colina, na cidade de São Bernardo do Campo. Conhecido como Sombra, apelido que detestava, o ex-segurança do petista – que se tornou empresário do ramo de transporte público – morreu ontem no Hospital Montemagno, […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h43 - Publicado em 28 set 2016, 15h57
O empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra - 10/12/2003

O empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra – 10/12/2003

O corpo de Sérgio Gomes da Silva, acusado de encomendar a morte do prefeito Celso Daniel, foi cremado às 10h30 desta quarta-feira, no cemitério Jardim da Colina, na cidade de São Bernardo do Campo. Conhecido como Sombra, apelido que detestava, o ex-segurança do petista – que se tornou empresário do ramo de transporte público – morreu ontem no Hospital Montemagno, no bairro de Vila Formosa, na Zona leste da capital paulista. Ele lutava contra um câncer no sistema digestivo, cuja metástase atingiu o fígado, e morreu de falência hepática.

LEIA TAMBÉM:
Todas as mortes do caso Celso Daniel
As sombras do caso Celso Daniel

Sombra chegou a ser preso em dezembro de 2003, após denúncia do Ministério Público, mas foi solto em julho do ano seguinte numa decisão monocrática do então presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, durante o recesso do Judiciário. Dos sete acusados de sequestrar e matar Celso Daniel em janeiro de 2002, foi o único que jamais foi levado a júri popular. Desde que deixou a prisão, levava uma vida reclusa e não dava entrevistas. Sérgio tinha 59 anos e deixa um filho.

Continua após a publicidade

Publicidade