Clique e assine a partir de 8,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Campanha de Crivella pagou R$ 250.000 para contratar advogado de Bolsonaro

Admar Gonzaga liderou a defesa do prefeito do Rio no processo em que o TSE concedeu a ele uma liminar contra inelegibilidade

Por João Pedroso de Campos - Atualizado em 15 out 2020, 14h15 - Publicado em 15 out 2020, 13h38

Condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) a uma inelegibilidade de oito anos por abuso de poder político nas eleições de 2018, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), investiu pesado para conseguir suspender a punição junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por meio de uma liminar concedida a ele na última terça-feira, 13.

Crivella contratou para sua campanha o advogado Admar Gonzaga, ex-ministro do TSE e secretário-geral do Aliança pelo Brasil, o partido que o presidente Jair Bolsonaro pretende (ou pretendia) fundar. Pelos serviços do escritório A. Gonzaga Advogados, de Admar e Marcello Dias, Crivella desembolsou 250.000 reais, conforme prestação de contas da sua campanha à Justiça Eleitoral. O dinheiro foi desembolsado em 1º de outubro.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Com Admar Gonzaga à frente de sua defesa no TSE, Marcelo Crivella conseguiu a suspensão da inelegibilidade a partir de uma decisão do ministro Mauro Campbell. O magistrado avalia que há “aparente fragilidade” nas provas sobre a participação de Crivella na organização de um evento na Comlurb, empresa de limpeza urbana municipal do Rio, em que Marcelo Hodge Crivella, filho do prefeito, foi apresentado como pré-candidato deputado federal. Ele não foi eleito.

A despesa com o escritório de Admar Gonzaga foi a segunda maior da campanha de Crivella até o momento. Ele também gastou 653.351 reais em duas gráficas, que imprimiram material para distribuição aos eleitores.  O total de despesas de mais de 900.000 reais está acima das receitas da campanha até o momento, de 557.000 reais, injetados pelo Diretório Nacional do Republicanos.

Continua após a publicidade
Publicidade