Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro conseguiu o que queria ao decidir ir para o PL

Presidente obteve garantias de que, após filiar-se ao PL, terá ‘autonomia’ para indicar candidatos nos estados e o comando das executivas regionais

Por Leonardo Lellis Atualizado em 9 nov 2021, 10h13 - Publicado em 8 nov 2021, 21h39

Jair Bolsonaro conseguiu o que queria. Ao fechar o acordo para se filiar ao PL ele obteve do chefe do partido, o ex-deputado Valdemar da Costa Neto, a garantia de que terá “autonomia” para indicar candidatos nos estados em 2022 e os comandos das executivas estaduais.

Essas eram as duas condições que o presidente sempre impôs para o partido que o acolhesse – daí o impasse nas negociações com outras legendas, como PP, PSL e PTB – desde que naufragou a ideia de fundar um partido, o Aliança pelo Brasil.

Bolsonaro estava há dois anos sem partido, desde que, em novembro de 2019, rompeu com o PSL que o levou à Presidência da República. A sua definição deve destravar o futuro de vários aliados seus que estão em outros partidos, a começar do próprio PSL, onde há em torno de vinte deputados que ainda o apoiam.

A costura para sua ida ao PL teve a participação decisiva do senador Jorginho Mello (PL-SC), um dos mais notados defensores do presidente no Congresso, em especial na CPI da Pandemia.

 

Continua após a publicidade

Publicidade