Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

As cinco bombas que Fábio Faria enfrentará no Ministério das Comunicações

Além de melhorar imagem do governo, chefe da nova pasta terá influência sobre os Correios e precisará dialogar com a ala ideológica do bolsonarismo

Por Redação Atualizado em 12 jun 2020, 11h47 - Publicado em 12 jun 2020, 11h32

Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para chefiar o novo Ministério das Comunicações, Fábio Faria (PSD) terá ao menos cinco tarefas urgentes e de elevada complexidade para resolver em Brasília. A pasta contará com orçamento superior a 2 bilhões de reais e ficará encarregada de questões como o aprimoramento da interlocução do governo com a sociedade, a administração dos Correios e a supervisão do leilão da tecnologia 5G de internet. Faria também precisará lidar com a ala ideológica do bolsonarismo, que enxerga a comunicação institucional como um ativo precioso, e com as turbulentas relações entre o presidente e o Congresso.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Interlocução do governo: Genro do apresentador Silvio Santos, dono do canal SBT, Fábio Faria foi convidado para o ministério após uma conversa em que Bolsonaro se queixou das falhas na sua estratégia de comunicação. Com a criação do 23º ministério do governo, o presidente extinguiu sua Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) e transformou o ex-chefe da pasta, Fabio Wajngarten, no número dois de Faria. Wajngarten tem uma postura combativa em relação à imprensa e radicalizou as críticas após a Polícia Federal ter aberto um inquérito para investigar se ele cometeu crimes de corrupção e peculato no exercício do cargo. Faria, por sua vez, é visto como um político aberto ao diálogo com os executivos do setor das comunicações. Aparar as arestas com a Rede Globo, o maior conglomerado de mídia do país, deverá ser uma de suas prioridades. Bolsonaro enxerga a emissora como a maior inimiga de seu governo e ameaçou não renovar as concessões para manter sua operação. A relação do novo ministro com Silvio Santos também merecerá um olhar cuidadoso, já que Faria será o responsável pelo direcionamento de parte da verba de publicidade oficial.

Estatais: Faria herdará a administração de estatais que parecem já não figurar mais nos planos de privatização do governo. Entre elas, os Correios são o principal equipamento nas mãos do novo ministro. Em 2019, VEJA revelou um estudo preliminar do secretário de Desestatização, Salim Matar, que alertava para a contagem regressiva relacionada à venda da estatal. Em função do crescimento de empresas privadas de entrega, os Correios só iriam gerar lucro ao governo se fossem privatizados num prazo de cinco anos. Agora, a estatal está sob o arco de influência de Gilberto Kassab, ex-ministro das Comunicações e presidente do partido ao qual Faria pertence. Escolher a presidência para gerir o milionário orçamento da estatal é um artigo de luxo, principalmente no momento em que Bolsonaro negocia cargos com as siglas do Centrão. Outra estatal no guarda-chuva de Faria é a EBC, que entrou só neste ano na lista de ativos que o governo deseja privatizar. Mas, por enquanto, tudo não passa de mera intenção.

  • Leilão do 5G: Um dos primeiros embates de Faria com a ala ideológica do governo se concentrará no leilão da tecnologia 5G de internet. O edital deverá ser lançado em 2021 e será cercado de polêmicas, já que os seguidores do guru bolsonarista Olavo de Carvalho defendem que a empresa chinesa Huawei seja impedida de participar. No ano passado, o chanceler Ernesto Araújo disse a VEJA que a restrição às operações da Huawei no Brasil estava sob avaliação. Os Estados Unidos têm pressionado o governo brasileiro a impedir os chineses de operarem a tecnologia, mas manter laços com a empresa é uma decisão estratégica para o Brasil. Além de já testar a tecnologia 5G em Florianópolis, a Huawei fabricou cerca de 70 mil antenas de rádio em operação no país. Há, no total, 86 mil dessas antenas no território nacional, responsáveis por transmitir os sinais de todo o tipo de aparelho que usa rede móvel.

    Gabinete do Ódio Faria chega ao governo num momento de estremecimento na relação entre Olavo de Carvalho e Bolsonaro. O polemista divulgou um vídeo criticando o fato de o presidente não ter atuado para protegê-lo de supostos ataques. Olavo foi condenado a pagar 2,8 milhões de reais ao cantor Caetano Veloso por tê-lo chamado de pedófilo. Na quinta-feira, 11, o escritor voltou os canhões contra o general Augusto Heleno, que chefia o Gabinete de Segurança Institucional e é um dos conselheiros mais próximos do presidente. O setor de comunicações também é vital para manter em funcionamento a máquina de propaganda simpática ao bolsonarismo. Há investigações em curso para apurar se blogs e sites disseminadores de notícias falsas receberam dinheiro público. O jornal O Globo revelou recentemente que estatais como a Petrobras e a Eletrobras veicularam anúncios em portais que defendem até uma intervenção militar. O gabinete do ódio, onde estão alocados no Palácio do Planalto os funcionários públicos que administram perfis em redes sociais ligados ao governo, responde informalmente ao vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), o filho Zero Dois do presidente. Tão logo foi anunciado como ministro, Faria teve uma mostra do poder da ala ideológica e se tornou alvo de ataques em função de postagens antigas em que defendia o voto nos petistas Lula e Dilma Rousseff.

    Relação com o Congresso: Faria, no entanto, é conhecido por ter um perfil conciliador. O seu primeiro ato como ministro foi telefonar para Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, e para Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, para informá-los sobre a novidade. Maia é amigo de Faria e comemorou a indicação do deputado para o posto. A aposta é de que o novo ministro conseguirá aproximar o governo da bancada de deputados que é próxima ao presidente da Casa e não está diretamente ligada à parcela do Centrão que negocia cargos com Bolsonaro. Além de garantir governabilidade necessária para aprovar as propostas no Legislativo, o presidente tem se empenhado em conquistar aliados para impedir que prosperem no Congresso eventuais processos de impeachment ou de afastamento decorrentes de investigações que correm no Supremo Tribunal Federal.

    Continua após a publicidade
    Publicidade