Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Apoio de Tasso a Eduardo Leite envolve a possibilidade de chapa com Ciro

Senador cearense trabalha para esvaziar a candidatura de Doria e abrir caminho para indicar o vice do pedetista; movimento tem o aval de Aécio

Por Da Redação 29 set 2021, 16h25

O senador pelo Ceará Tasso Jereissati apenas confirmou na terça-feira, 28, o seu apoio ao governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias do PSDB. As prévias, em sua origem, servem para determinar o nome que os tucanos indicação para concorrer à Presidência da República em 2022. Mas no xadrez tucano, as coisas raramente são o que parecem em sua origem.

O jogo por trás do apoio, que já era dado como certo, envolve inclusive Ciro Gomes (PDT). Tasso e Leite se unem para esvaziar a candidatura do governador de São Paulo, João Doria. Dessa forma, podem rifar o jovem Eduardo Leite como vice em uma eventual chapa com Ciro, também cearense. A proposta é que Tasso continue mostrando força política em seu meio eleitoral e coloque um dos seus, Eduardo, como vice de Ciro Gomes, sua inseparável criatura.

Correndo por fora, o mineiro Aécio Neves aplaude e trabalha pelo projeto. Sem um cabeça de chapa tucano na disputa pela Presidência — o que seria inédito em uma eleição presidencial desde a criação do partido –, sobra mais dinheiro no fundo partidário, tão necessário para que Aécio se perpetue no cargo de deputado federal que ele tanto precisa para manter o foro privilegiado e assim se safar das investigações por corrupção e obstrução da Justiça.

Ambos, Tasso e Aécio, já admitiram publicamente que o PSDB deve abrir mão da cabeça de chapa. Assim, todos saem ganhando, menos os militantes e tucanos de origem que assistem ao PSDB se apequenar ainda mais — além do jovem governador gaúcho, usado como marionete.

 

Continua após a publicidade

Publicidade